Marfrig compra empresa argentina

Na 11 ª aquisição em um ano, o Marfrig leva a Mirab, avança na Argentina e entra no mercado norte-americano

Agnaldo Brito, O Estadao de S.Paulo

03 de janeiro de 2008 | 00h00

O Grupo Marfrig anunciou ontem a aquisição de 100% das ações da argentina Mirab, companhia instalada na cidade de Pilar, na província de Buenos Aires. Foi a primeira aquisição da empresa em 2008, mas a 11ª em um ano, negócios que consumiram boa parte dos R$ 457 milhões de investimentos em 2007. O valor do negócio, fechado pela subsidiária integral do grupo Argentine Breeders & Packers S.A. (AB&P), foi de US$ 36 milhões.A Mirab é líder no mercado de carne para aperitivo na Argentina (chamado de meat snack) e dará à companhia brasileira a liderança desse mercado na região. A empresa exporta para o mercado norte-americano, além de vender para o Japão e para o Reino Unido. É a primeira compra da Marfrig a partir da qual a empresa assume unidades fora da América do Sul. Agora, além de unidades no Brasil, na Argentina, no Uruguai e no Chile, o grupo controlará a operação das unidades de embalagem e distribuição nos Estados Unidos.A Mirab USA, subsidiária da companhia argentina, instalada em Taylor, Estado de Michigan, importa, embala e distribui no mercado norte-americano e canadense, e mantém marcas nessas regiões como o Pecos Bill?s, Farmer?s Market e Rancher?s Brand.O alvo do Grupo Marfrig com a nova aquisição foi ampliar a produção de itens de maior valor de mercado, distanciando-se do simples abate e vende de carne in natura. "Em geral, o Marfrig não tem adotado a estratégia do Friboi de crescer com a compra de capacidade de abate. Essa aquisição parece estar em linha com o plano de reforçar o portfólio de marcas de produtos processados", diz Pedro Galdi, analista do setor de alimentos do ABN Amro. O analista considerou a compra um bom negócio.Embora a JBS-Friboi tenha adquirido recentemente a italiana Inalca, empresa líder em alguns segmentos de carne processada na Europa, o grupo pagou US$ 1,4 bilhão para arrematar a Swift, o que deu ao Friboi a maior capacidade de abate do mundo, cerca de 50 mil animais por dia, além de presença relevante nos mercados dos Estados Unidos e Austrália. Hoje, o Marfrig abate por dia 21,1 mil animais por dia. Em setembro do ano passado, abatia 13,7 mil.Na mensagem distribuída ontem ao mercado, o diretor de relações com investidores, Ricardo Florence, tentou ressaltar exatamente esse aspecto. "Consideramos essa aquisição estratégica para o fortalecimento da participação do Marfrig no mercado de meat snacks com valor agregado", disse.APETITEA Mirab é a 11ª aquisição do grupo em um ano. A empresa realizou ao longo de 2007 outras dez aquisições nos mercados argentino, uruguaio, chileno e brasileiro: La Caballada (Uruguai), 50% do Quinto Cuarto e Patagonia, frigorífico para abate de ovinos (Chile), Quickfood, Vivoratá e Estâncias del Sur (Argentina), a unidade de suínos Mabella e a Pampeano, de industrializados, ambas no Rio Grande do Sul. A empresa ainda adquiriu um curtume em Promissão e arrendou um confinamento para 50 mil cabeças em Pereira Barreto, em São Paulo. Até setembro, último balanço publicado, o grupo gastou quase R$ 200 milhões em aquisições.Esses investimentos vieram principalmente dos recursos obtidos pela empresa no mercado de capitais. O Marfrig foi uma das companhias que estrearam na Bolsa de Valores de São Paulo (Bovespa) em 2007. A oferta inicial de ações deu ao caixa da companhia mais de R$ 1 bilhão. Rafael Cintra, analista da Link Investimentos, considerou a compra da Mirab satisfatória do ponto de vista estratégico e econômico.A oferta pública de ações capitalizou a empresa e o valor da nova compra na Argentina não deverá comprometer a situação financeira do Marfrig. "Em setembro, a dívida líquida sobre a geração de caixa era de 1,01 vez, baixa. Até o terceiro trimestre, o caixa do grupo tinha R$ 859,1 milhões. É uma situação muito tranqüila", avalia o analista da corretora Link, Rafael Cintra.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.