Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Marfrig vai comprar gado paraguaio

Para ministro da Agricultura, movimento como este do frigorífico indica que a crise do setor já foi superada

Alexandre Inácio, O Estadao de S.Paulo

29 de maio de 2009 | 00h00

Para driblar a baixa disponibilidade de gado e os elevados preços da arroba do boi gordo no mercado interno, algumas indústrias estão estruturando importações de gado vivo do Paraguai para abastecer unidades de abate no Brasil. Uma das empresas que está avançada na operação, que conta com apoio de pecuaristas brasileiros que possuem fazendas no país vizinho, é a Marfrig. A ideia da empresa é comprar animais vivos no Paraguai e realizar o abate em sua planta de Porto Murtinho, município localizado no extremo oeste de Mato Grosso do Sul, na divisa com o Paraguai.A estratégia não agradou aos pecuaristas do Estado. Para o presidente do Sindicato Rural de Porto Murtinho, Italívio Coelho Neto, existe a possibilidade de que a importação gere um excesso de oferta e derrube os preços da arroba na região. "A importação é perigosa também na questão da sanidade porque a faixa vizinha ao Alto Paraguai não está com a ZAV (Zona de Alta Vigilância) concluída, não temos garantia de nada", afirma.A decisão de importar gado do Paraguai surge poucos dias depois de os produtores de todo Centro-Oeste terem fechado um acordo para fazer vendas apenas à vista e não fecharem mais negócio com frigoríficos que estejam em processo de recuperação judicial. Apesar de o acordo ter sido fechado com produtores do Centro-Oeste, a ideia é de que a proposta seja estendida para São Paulo e Minas Gerais.Do ponto de vista mercadológico, segundo analistas, a importação de gado vivo faz sentido. Em dólar, o preço da arroba no Brasil está em um dos patamares mais elevados do mundo. "A oferta de animais está baixa e as escalas reduzidas", afirma Lygia Pimentel, analista da Scot Consultoria. Ela lembra, no entanto, que para se importar gado vivo existe um processo burocrático caro e uma logística de transporte que precisa ser levada em consideração.Cálculos da AgraFNP indicam que o preço da arroba no Paraguai é aproximadamente 40% inferior ao praticado no Brasil. Segundo José Vicente Ferraz, diretor da AgraFNP, enquanto a arroba no Paraguai é cotada a US$ 25,00, no Brasil, o preço está em torno de US$ 35,00. "O boi no Paraguai está mais barato. Temos de lembrar, no entanto, que havendo um aumento da procura lá os valores tendem a subir", afirma Ferraz.Procurado pela reportagem, nenhum executivo do Marfrig foi encontrado para falar sobre o assunto.Ontem em Brasília, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, afirmou que o fato de já haver frigorífico interessado em importar boi é sinal de que a crise do setor acabou. "Já há falta de matéria prima", disse o ministro. Ele explicou que, do ponto de vista técnico e legal, é possível importar gado do Paraguai, desde que se respeitem as normas de sanidade. COLABOROU CÉLIA FROUFE

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.