Maria Silvia é cotada para ser nova presidente da Varig

A Varig deverá divulgar no início da próxima semana o nome do novo presidente da companhia. O nome mais forte até o momento é o de Maria Silvia Bastos Marques, ex-presidente da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), que já foi convidada esta semana para o cargo. Segundo uma fonte da VarigLog, Maria Silvia viu com bons olhos o convite. "A Maria Silvia é seduzida por desafios. Nesse sentido, ela viu com interesse o convite. É um excelente nome para assumir a posição", afirma a fonte.Com lance de US$ 24 milhões e um plano de desembolso total de US$ 505 milhões, entre dívidas e investimentos, a VarigLog arrematou ontem a Varig. Ainda ontem começaram a circular nomes de executivos que devem compor a nova diretoria da empresa. Uma fonte informou que o piloto John Long, ex-diretor da Rio Sul, deverá ocupar a Diretoria Operacional. O atual diretor de Planejamento, Luiz André Patrão, deverá permanecer no cargo.Pelo menos um dos cargos vagos de vice-presidente, da parte operacional, deverá sair dos quadros de uma empresa da Audi Helicópteros, de um dos acionistas da Volo Brasil, a controladora da VarigLog. Suspensão de vôosOito horas após o leilão, a companhia anunciou a suspensão, por uma semana, de todos os vôos internacionais e domésticos. Será mantida apenas a ponte aérea Rio-São Paulo. Passageiros que compraram bilhetes para esse período serão remanejados para outras empresas.Por enquanto, a VarigLog pagou apenas US$ 20 milhões de sua proposta total, em depósitos feitos diariamente para Varig nas duas semanas que antecederam o leilão, para que a companhia continuasse a operar. O preço mínimo, estipulado em US$ 24 milhões, incluía a multa de US$ 4 milhões que seria cobrada de eventuais concorrentes da VarigLog, que exigiu, na proposta, ressarcimento pelo investimento já feito caso não efetivasse a compra.Na segunda-feira, a arrematante terá de depositar em Juízo mais US$ 75 milhões. Novo depósito, no mesmo valor, será feito em 30 dias. Outros US$ 485 milhões estão reservados para investimento e obrigações que a VarigLog terá de assumir nos próximos 10 anos para contribuir com a redução do passivo de R$ 7,9 bilhões, que será mantido com a Varig antiga.Recuperação judicialA recuperação judicial da Varig se estendeu por 13 meses. A empresa foi arrematada pela Aero Transportes Aéreos S.A., subsidiária da VarigLog. O juiz Paulo Roberto Fragoso, que integra a comissão de juízes responsáveis pela recuperação, disse que o negócio seria homologado ainda ontem.Em até 3 dias, será divulgada a lista com as demissões de cerca de 8 mil funcionários e a nova diretoria. Nos próximos 60 dias, a VarigLog deverá contratar 1.680 trabalhadores para a nova Varig, que vai começar a operar com 15 aeronaves. A informação é do Sindicato Nacional dos Aeronautas (SNA), que tomou conhecimento do planejamento em reunião com a VarigLog esta semana. Ontem, a Varig informou que tem cerca de 10 mil empregados e está voando com 13 aviões, de uma frota de cerca de 60. Nos próximos 12 meses, a idéia da VarigLog é ter 30 aviões, com média mensal de até 2 jatos novos e a conseqüente contratação de até 110 empregados por avião.A nova Varig herdará a marca principal e a da subsidiária Rio-Sul, além das rotas das duas empresas. A redução do passivo de R$ 7,9 bilhões ficará com a chamada Varig antiga, que vai operar com a marca Nordeste em apenas uma rota, entre Congonhas e Porto Seguro. Além disso, a empresa terá dois aviões para fazer fretamento para a nova Varig, num contrato de 3 anos que deverá render R$ 15 milhões.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.