coluna

Louise Barsi explica como viver de dividendos seguindo o Jeito Barsi de investir

Maridos podem ajudar mulheres a chegar ao topo

O livro de Sheryl Sandberg, diretora de operações do Facebook, provavelmente irritará algumas mulheres, pois a executiva diz que parte do problema enfrentado por elas está na falta de espírito competitivo. Mas Faça Acontecer (publicado no Brasil pela Companhia das Letras) é excelente, pois chama a atenção das pessoas para uma questão importante a ser debatida: a necessidade de tornar os locais de trabalho mais acolhedores para mulheres e famílias.

NICHOLAS KRISTOF , NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

23 de maio de 2013 | 02h10

Sandberg argumenta, e creio que ela tem razão, que a decisão mais importante na carreira de uma mulher é a escolha de seu marido. Se sobre a mulher recair toda a responsabilidade das tarefas domésticas e dos cuidados com as crianças, não há a menor chance de ela alcançar uma posição de destaque na carreira.

Certa vez perguntaram a Rosabeth Kanter, da Harvard Business School, o que os homens poderiam fazer para promover a liderança das mulheres, e ela respondeu: "Lavar roupa".

Ceticismo. No entanto, sou cético em relação a um dos principais argumentos que as pessoas mencionam em favor de lideranças femininas - o de que elas dão mais estímulo e apoio a outras mulheres.

Quando eu e Sheryl WuDunn estávamos escrevendo o livro Metade do Céu, fizemos uma pesquisa em âmbito internacional, e não encontramos nenhuma correlação entre a presença de uma chefe de estado mulher e iniciativas que estimulassem o ingresso de meninas nas escolas. No entanto, precisamos de mais mulheres em posições de comando por outros motivos, como desafiar os estereótipos de gênero e alcançar processos decisórios mais diversificados e apropriados.

A propósito, Adrian Monck, do Fórum Econômico Mundial, saiu-se com uma boa resposta quando postei uma mensagem sarcástica no Twitter, dizendo que eu comparecera a uma ótima sessão sobre questões de gênero em Davos, mas que o próprio Fórum indicava o tamanho do problema com sua participação feminina de 17%

Monck tuitou de volta: "16,6% dos colunistas do New York Times são mulheres. Falar dos outros é fácil". Ele tem razão em dizer que também esta área - o jornalismo de opinião - é amplamente dominada pelos homens.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.