Marinho propõe taxar exportação para elevar arrecadação

O ministro do Trabalho, Luiz Marinho, defendeu, nesta quarta-feira, 28, a idéia de se discutir, no Brasil, a cobrança de tarifas sobre exportações, com o objetivo de aumentar a arrecadação. Segundo o ministro, a cobrança de tarifas sobre exportações seria um alternativa ao aumento de outros impostos que o governo já se comprometeu a não elevar. "Como há o compromisso do governo de não elevar mais a carga tributária, essa alternativa pode ajudar a continuar as desonerações (na economia)", justificou Marinho."A depender do que se trata e, a depender da situação da balança comercial, acho que o País tem de pensar em tarifas de exportações", disse o ministro, em entrevista coletiva convocada para divulgação de detalhes do resultado de janeiro do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged).A cobrança de tarifas seria uma medida que teria que considerar produto a produto, segundo o ministro, e quais os impactos para os respectivos mercados de trabalho. Marinho destacou que as exportações que deveriam continuar sendo incentivadas pela isenção de tarifas seriam as de produtos acabados, com alto valor agregado, ou com mão-de-obra agregada. "Matérias-primas? Não sei se é tão importante a gente incentivar exportações de matérias-primas", disse o ministro.Em relação a esse ponto, deu como exemplo os minérios, definidos por ele como riqueza natural do País que o governo deveria avaliar se é adequado ou não o volume dessas exportações. Marinho disse que já conversou sobre o assunto com o ministro da Fazenda, Guido Mantega, e que este se mostrou aberto a iniciar uma discussão a respeito.Mantega, por sua vez, disse que não está em análise em seu ministério a proposta de taxar as exportações do País para aumentar a arrecadação. Ele disse que "não se lembra" de Marinho ter comentado com ele sobre a proposta. colaborou Gerusa Marques

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.