Marketplace de leilões virtuais aproxima vendedor e comprador

finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Conteúdo Patrocinado

Marketplace de leilões virtuais aproxima vendedor e comprador

Uma das pioneiras do mercado, a plataforma Superbid tem presença em oito países, recebe cerca de 8 milhões de visitantes anualmente e disponibiliza ferramenta para transações online

Superbid, Media Lab Estadão
Conteúdo de responsabilidade do anunciante

23 de junho de 2020 | 11h36

Os leilões virtuais estão ganhando destaque no mercado brasileiro e caindo no gosto dos consumidores. No entanto, leiloeiros ainda têm dificuldade em chegar aos clientes. Essa barreira pode estar com os dias contados. Isso porque o Superbid Market- place – plataforma que reúne as modalidades de leilões administrativa, extrajudicial, judicial e rural – permite que os leiloeiros ou pregoeiros administrativos usem o marketplace para os seus eventos. O Superbid disponibiliza aos seus usuários toda a estrutura e ferramentas para que possam realizar os seus eventos. 

“Somos como um shopping. Temos grande quantidade de pessoas buscando itens. O leiloeiro pode usar a plataforma para começar a ganhar dinheiro, assim como no Uber”, diz o fundador do Superbid, Rodrigo Santoro, ao lembrar que há uma democratização grande do negócio de leilão pela internet, tanto para quem quer vender quanto para quem quer comprar, e a sua empresa consegue organizar todas as vendas espalhadas no mundo digital.

Um dos pioneiros em fazer leilão oficial no mundo digital, o Superbid tem operações no Brasil e em mais sete países, conta com 450 colaboradores, recebe anualmente cerca de 8 milhões de visitantes únicos e realiza mais de 50 eventos por dia na América Latina, se tornando um dos maiores grupos da região. Ao todo, aproximadamente 8 mil corporações e empresas vendedoras já utilizaram os serviços da plataforma. Entre as companhias que já usaram o ambiente corporativo do Superbid estão Petrobras, General Motors, Ford, Mapfre e Pepsico, muitas delas em transações no território nacional, mas também em outros países da América Latina.

O Superbid começou a operar no mercado em 1999. A princípio, apenas um leiloeiro anunciava na plataforma. Mas, nos últimos cinco anos, a companhia decidiu se reinventar, transformando a plataforma em um marketplace corporativo, disponibilizando soluções de tecnologia ao mercado de leilões. 

Pela plataforma, o leiloeiro consegue fazer toda a gestão do seu evento, da cobrança e do número de habilitados, por exemplo. Além disso, o fundador do Superbid comenta que o sistema contribui para que o leiloeiro possa ter uma performance melhor, já que a plataforma conta com uma alta audiência. “Fazemos o impulsionamento para o usuário, com um mix de publicidade, trazendo o comprador com mais facilidade e dando mais credibilidade para o que ele está fazendo”, comenta. 

O fundador da companhia destaca ainda que o Superbid é uma plataforma transacional aberta para que qualquer um dos quatro entes previstos no sistema de leilões – corporativos, rurais, judiciais e pregoeiros administrativos – possam usar a plataforma. O leiloeiro também pode ter a sua loja virtual própria paralelamente e usar o sistema para obter melhor audiência e, assim, alcançar melhores resultados para o seu evento.

Mais eficiente

Como a plataforma tem um grande número de visitantes, aumenta também o universo de potenciais compradores, o que torna as vendas mais rápidas e eficientes. Além disso, o marketplace permite realizar eventos com custos bem menores do que os cobrados nas modalidades tradicionais. “As transações vão baratear para quem está vendendo, porque a cobrança é feita apenas por operação realizada”, diz Santoro. Ele cita como exemplo os custos de leilões rurais, que são cerca de 50% mais baixos no marketplace do que no modelo atual de vendas.

O processo para que o leiloeiro se habilite na plataforma é bastante simples; no entanto, segue todas as regras e análises para garantir a segurança das operações. “Atuamos dentro da conformidade para saber a origem dos produtos, que tem de ser lícita, e para saber quem está vendendo e o que está sendo vendido”, destaca Santoro. 

Vale destacar ainda a transparência em todo o processo, desde o contato com potenciais compradores até a entrega dos ativos. Todo o processo de homologação e compliance em relação às empresas que atuam na plataforma contribui para a credibilidade e a segurança do marketplace, que tem como objetivo viabilizar transações de equipamentos e itens de alto valor agregado, como imóveis, carros, máquinas pesadas e agrícolas, caminhões, entre outros. “É uma oportunidade disruptiva do mercado. Estamos propondo fazer a gestão das transações”, finaliza Santoro.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.