Marks & Spencer, um negócio de mais de US$ 13 bilhões

O empresário varejista Philip Green esboçou, hoje, os termos de uma possível aquisição do controle acionário da famosa cadeia de lojas de alimentos e roupas inglesa Marks & Spencer PLC.A Revival Acquisitions, empresa de Green e sua família, diz que poderá oferecer aos acionistas mais de 7 bilhões de libras (US$12,8 bilhões) em dinheiro e 25% de participação em uma empresa recém registrada. A proposta significa pagar entre 290 (US$ 5,31) e 310 libras (US$ 5.67) por ação.Green, que é proprietário da cadeia de lojas de departamento Bhs e das lojas de roupas Arcadia, avisa que a oferta condiciona o apoio da direção da Marks & Spencer e a abertura de informações chaves sobre o comportamento da empresa e investimentos.O empresário, que tem um fortuna pessoal estimada em 3,6 bilhões de libras (US$ 6,6 bilhões), afirmou que sua família poderia responsabilizar-se pelo financiamento de 1,05 bilhão de libras (US$1,92 bilhões) da proposta. Ele, pessoalmente, tem 9 bilhões de libras (US$ 16,5 bilhões) garantidos para o pagamento, incluindo 7,5 bilhões de libras (US$ 13,7 bilhões) de bancos de investimento como Merrill Lynch e Goldman Sachs.A M&S é uma das marcas inglesas mais conhecidas no mundo, mas a empresa informou, no mês passado, que a recuperação de suas vendas estava falhando, em decorrência de uma competição feroz. Em 31 de maio, anunciou que estava contratando Stuart Rose, o ex-superintendente do Arcadia Group Ltd., como seu novo chefe executivo. Rose deixou o Arcadia quando Green comprou o grupo, há dois anos.As ações da M&S caíram 3,14%, hoje, na Bolsa de Londres, baixando para 354 libras (US$6,48).

Agencia Estado,

03 de junho de 2004 | 15h38

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.