Dida Sampaio/Estadão - 21/8/2019
A secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI) , Martha Seillier. Dida Sampaio/Estadão - 21/8/2019

Martha Seillier e Daniella Marques Consentino são cotadas para suceder Salim Mattar

Martha é servidora pública de carreira e especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental; Daniella é vista como os 'olhos e ouvidos de Guedes', mas não é concursada

Anne Warth e Amanda Pupo, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2020 | 17h42

BRASÍLIA - Depois que o ministro da Economia, Paulo Guedes, anunciou que o empresário Salim Mattar pediu demissão da Secretaria Especial de Desestatização, Desinvestimento e Mercados, o nome mais cotado para ocupar a área é o da secretária especial do Programa de Parcerias de Investimentos (PPI), Martha Seillier. A chefe da Assessoria Especial de Assuntos Estratégicos do ME, Daniella Marques Consentino, também é cogitada para o cargo.

Martha é servidora pública federal de carreira, especialista em Políticas Públicas e Gestão Governamental. Formada em direito e economia, ela é considerada braço-direito do ministro da Infraestrutura, Tarcísio de Freitas. Já foi presidente da Infraero, assessora-chefe da Casa Civil e diretora da Secretaria de Aviação Civil.

A Martha é atribuído o sucesso no programa de concessões de infraestrutura do governo, que já leiloou 30 ativos em rodovias, ferrovias, aeroportos e portos. Até o fim do ano, a previsão é licitar 12 terminais portuários e duas rodovias, além de renovar os contratos de duas ferrovias, um compromisso associado a investimentos cruzados. A fusão entre o PPI e a secretaria de privatizações seria considerada natural nesse cenário.

Daniella é considerada os olhos e ouvidos de Guedes. Ela participa de todas as reuniões do ministro, seja com o setor produtivo, seja com parlamentares – com quem negocia os termos da reforma tributária. Embora atue nos bastidores, é considerada uma boa articuladora política, tendo inclusive sido cotada para substituir o general Luiz Eduardo Ramos na Secretaria de Governo. 

Ao contrário de Martha, Daniella não é funcionária pública. Sua escolha reforçaria a "guerra" que ocorre nos bastidores do Ministério da Economia entre servidores e nomes do mercado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Substituto de Salim Mattar pode indicar 300 cargos em estatais com salário de até R$ 120 mil

Esse é o número de vagas que o Ministério da Economia tem direito a preencher em 197 empresas

Anne Warth, O Estado de S.Paulo

12 de agosto de 2020 | 17h46

BRASÍLIA - O novo responsável pela área de privatizações do governo Bolsonaro terá poder para indicar cerca de 300 cargos em conselhos de administração e direção de estatais. Esse é o número de vagas que o Ministério da Economia tem direito a preencher em 197 empresas. Nas maiores, o salário pode chegar a R$ 120 mil mensais.

O Ministério da Economia, por exemplo, é “dono” de 20 e indica a maioria dos conselheiros dessas empresas – entre elas os bancos públicos BB, Caixa, BNDES, BNB e Banco da Amazônia, além da Casa da Moeda, Dataprev (que processa a folha do INSS), Emgea (gestora de ativos) e Serpro (de processamento de dados). Nesse caso, todos os assentos da União nos conselhos de administração são da Secretaria de Privatizações, cargo até ontem ocupado por Salim Mattar.

No Banco do Brasil, por exemplo, das oito vagas, a o ME indica cinco: o presidente da instituição e quatro assentos. Os três restantes são dos empregados e dos de acionistas minoritários.

Mesmo quando não é a pasta supervisor, o Ministério da Economia tem direito a indicar um membro no conselho de administração da maioria das estatais.

A Infraero, por exemplo, é subordinada ao Ministério da Infraestrutura, que indica três membros para o conselho. Mas o Ministério da Economia e o Ministério da Defesa têm um assento cada. Também integram o colegiado o presidente da empresa e um representante dos empregados.

A Eletrobrás, por sua vez, é vinculada ao Ministério de Minas e Energia. Por ser uma empresa de capital misto, das 11 vagas, sete são do MME, mas há uma para o ME, duas de acionistas minoritários e uma dos empregados.

O ME também têm direito – embora nem sempre exerça – a indicar todos os membros dos conselhos de administração de estatais incluídas por decreto no Programa Nacional de Desestatização (PND). 

Embora cobiçadas por políticos interessados em apadrinhar indicados e por servidores públicos, as vagas em conselhos nem sempre rendem retornos elevados. Um conselheiro de uma empresa como a Imbel ganha R$ 2 mil mensais. Na Petrobrás, o valor é maior e chega a R$ 12 mil. O ME tem direito a indicar cerca de 150 pessoas para essa função, que normalmente paga 10% do salário pago aos diretores das mesmas companhias.

O poder do Ministério da Economia também é relevante na indicação de diretores executivos de empresas públicas. A pasta tem direito a indicar cerca de 150 pessoas. Mas, nesse caso, o salário é bem mais atrativo.

Um diretor da Petrobrás pode ganhar até R$ 120 mil mensais. Nas estatais de menor porte, o rendimento gira em torno de R$ 25 mil a R$ 30 mil mensais. Para aquelas que possuem política de remuneração variável, quem bate as metas pode obter até 24 salários por ano.  

Tudo o que sabemos sobre:
Ministério da EconomiaSalim Mattar

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.