Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

Marun afirma que acordo com caminhoneiros está mantido mesmo com emprego do Exército

Ministros também admitiram que a diminuição dos bloqueios será lenta e deve continuar nos próximos dias

Julia Lindner e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

25 Maio 2018 | 22h17

BRASÍLIA - O ministro Carlos Marun, da Secretaria de Governo, garantiu que o acordo com as entidades dos caminhoneiros está mantido mesmo após o emprego das forças federais para desobstruir as estradas. Nesta sexta-feira, 25, o presidente Michel Temer assinou decreto que autoriza a atuação do Exército em Garantia da Lei e da Ordem (GLO) na greve.

Segundo o ministro Eliseu Padilha, da Casa Civil, da parte do governo a negociação está encerrada e agora o foco é no cumprimento do acordo. "O governo está cumprindo 100% do acordo e esperamos que caminhoneiros também cumpram", disse.

Pelo acordo, que envolveu 12 pontos - entre eles zerar a Cide do preço do diesel até o final do ano e que os reajustes no preço do combustível ocorram a cada 30 dias - os caminhoneiros teriam que dar uma "trégua" das paralisações por 15 dias para o governo agir, porém isso não ocorreu.

++ Greve dos caminhoneiros chega ao 5º dia; Forças Armadas vão desbloquear estradas

"A negociação trouxe avanços que originalmente os caminhoneiros nem esperavam, mas conversamos hoje com líderes do movimento, com boas e más intenções, e percebemos que alguns caminhoneiros acham que os líderes tinham que ter pedido mais", afirmou Padilha.

Marun ponderou que "não há mais negociação, mas há diálogo, que é a marca do governo".

++ Com paralisação, Bolsa tem pior semana em um ano, desde caso JBS

Os ministros admitiram que a diminuição dos bloqueios será lenta e deve continuar nos próximos dias. Dados da Polícia Rodoviária Federal apontam que o País chegou a ter nos últimos dias até 938 interrupções em estradas. Dessas, 419 foram liberadas desde ontem e restaram 519. Todas as interdições de rodovias são parciais. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.