Material escolar apresenta variação de até 233,33%, em SP

A menos de um mês do ano letivo nas escolas, a Fundação Procon-SP revelou nesta terça-feira que os pais terão que pesquisar bastante na compra de material escolar. A pesquisa da entidade mostra diferença de preços de até 233,33%. O levantamento foi realizado em dez estabelecimentos comerciais, distribuídos por cinco regiões da capital paulista. Destaca-se, entretanto, que embora tenham sido pesquisados 185 itens, em função do desabastecimento nos estabelecimentos, apenas 120 foram divulgados.A principal diferença, de 233,33%, segundo a pesquisa, foi verificada no produto caneta hidrográfica, conjunto de 12 cores, Colorcis-Cis. O maior preço (R$ 5,50) foi visto no Agipel, zona oeste, e o menor (R$ 1,65) no Magno´s, na zona norte. A segunda maior variação - 172,41% - foi conferida no caderno universitário espiral, de 96 folhas, Linha Jump. Enquanto o estabelecimento Pontocom, zona oeste, comercializa o produto a R$ 7,90, o Magno´s vende a R$ 2,90.As duas menores diferenças de preços foram encontradas nos produtos caneta hidrográfica, conjunto com 12 cores, da Faber Prestocolor, e em papel sulfite branco A4, Cento. O primeiro apresentou variação de 6,74% - maior preço (R$ 9,50) na Artesco, zona sul, e o menor (R$ 8,90) nos estabelecimentos Japuíba, zona norte, e Estrela Magazine, zona leste. Já o papel sulfite apresentou variação de 11,36%. O maior preço foi visto no Magno´s (R$ 2,45) e o menor valor no Estrela Magazine (R$ 2,20).O Procon-SP indica ainda que os estabelecimentos Japuíba e Magno´s, ambos na zona norte, foram os que apresentaram maior quantidade de produtos com menor preço - 30 produtos em cada. Foi o Magno´s também que apresentou o maior número de itens, dentre os estabelecimentos avaliados - com 102 itens, ou 85%, entre 120 avaliados. O Japuíba, entretanto, foi que apresentou o maior porcentual de produtos com preços abaixo ou iguais aos preços médios obtidos entre os comparados, com 91,67%. Entraram ainda na pesquisa os estabelecimentos Momotaro, zona sul e Ibituruna (zona leste). Da região central foram avaliados Metropolitana e Paper Book.Segundo a entidade, o resultado "evidencia a necessidade de pesquisa antes da compra". "O levantamento revela que os produtos podem ter variações consideráveis de preço de um estabelecimento para o outro. Assim, para garantir o orçamento doméstico no início do ano, já bastante comprometido com as compras do final do ano passado e de impostos e taxas para o ano vigente, racionalizar a compra de material escolar é fundamental", informou o Procon-SP, em comunicado à imprensa, que recomenda ainda que os pais realizem compras em conjunto com pais de outros colegas do filho. "A compra em conjunto permite a negociação de bons descontos."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.