Matérias-primas encarecem produtos

Geladeiras, fogões, TVs e aparelhos de som ficaram de 2% a 4% mais caros nas vendas da indústria para o comércio em agosto. O motivo: pressões de alta nos custos de matérias-primas, como plástico, alumínio e aço, e também pela escassez de componentes. O aumento nos preços já está sendo repassado para o consumidor. Mas a venda dos produtos não recuou devido à ampliação do volume de crédito disponível e à melhoria das condições - prazos mais longos e juros menores.O diretor da Lojas Cem, Natale Dalla Vecchia, informa que a rede repetiu, em agosto, o faturamento de julho, quando normalmente é esperada uma queda de 5%. No acumulado do ano até agosto, o crescimento na receita foi de 25% em relação a igual período de 1999. Para Vecchia, que esperava um acréscimo de 10%, as vendas estão surpreendendo. As condições são as mesmas na linha de imagem e som. De acordo com fontes do mercado, esse segmento de produtos teve um reajuste de preço da indústria para o comércio de 3% em agosto e, mesmo assim, acumula defasagem de custo em relação ao preço, desde junho, de 10%. A diferença deverá ser repassada nos próximos meses com o aquecimento da demanda de fim de ano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.