FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO
FOTO: FELIPE RAU/ESTADÃO

Matriz da Ford diz que não investe mais nem um centavo no ABC

Comitiva enviada aos Estados Unidos para discutir fechamento de fábrica em São Bernardo ouviu que a Ford não recuará de decisão; sindicato quer garantir manutenção de empregos nas negociações de venda da fábrica

Cleide Silva, O Estado de S.Paulo

12 de março de 2019 | 09h03
Atualizado 12 de março de 2019 | 20h28

Em encontro nos Estados Unidos, dirigentes  do Sindicato dos Metalúrgicos do ABC ouviram da direção global da Ford que a empresa não vai retroceder na decisão de fechar a fábrica de São Bernardo do Campo prevista para o fim deste ano. "Eles disseram que não vão investir mais nem um centavo nessa fábrica", relatou José Quixabeira de Anchieta, coordenador do comitê sindical que participou do encontro na última quinta-feira, 7.

Só nesta manhã, em assembleia realizada nos portões da fábrica, os trabalhadores foram informados do resultado da reunião pedida pelos sindicalistas, que tinha como objetivo tentar convencer a empresa a rever a decisão anunciada no dia 19 de fevereiro.

Segundo Rafael Marques, diretor do sindicato, o presidente de operações globais da Ford, Joe Hinrichs, confirmou que há três grupos interessados na aquisição da fábrica, duas delas com propostas mais firmes, com quem terão reuniões nos próximos dias e permitiu a participação do sindicato nessas negociações.

"Agora nossa luta é ajudar para que essas negociações deem certo e que a fábrica seja vendida com porteira fechada, ou seja com a manutenção de todos os trabalhafores", disse o presidente do sindicato, Wagner Santana.

O sindicalista cobra responsabilidades da Ford que, segundo cálculos apresentados à direção mundial da montadora, a Ford do Brasil recebeu R$ 7,5 bilhões em incentivos fiscais nos últimos cinco anos para a fábrica da Bahia, onde vai concentrar sua produção de automóveis a partir do próximo ano. Também teria recebido R$ 5,5 bilhões em empréstimos a juros subsidiados do BNDES, fora outros benefícios do programa Inovar-Auto e agora do Rota 2030.

Na assembleia, os trabalhadores decidiram manter a produção parada e retornar para nova reunião na quinta-feira, 14, quando será definida nova forma de protesto. Depois da assembleia, o sindicato concovou um grupo de funcionários para ajudar na limpeza da fábrica, que também teve parte das instalações invadidas pela água da forte chuva que caiu na região no fim de semana.

Há 20 dias, a Ford comunicou aos funcionários que vai fechar a fábrica de São Bernardo até o fim do ano. Com 52 anos de operações, a unidade produz caminhões e o modelo Fiesta, e opera com menos de 20% de sua capacidade produtiva. O Brasil é o único país em que a marca produz caminhões e a matriz decidiu abandonar esse segmento. Em 2023 o País terá normas mais rigorosas para emissões de poluentes por parte desses veículos e seriam necessários altos investimentos para adotar novas teconologias, gasto que a companhia não está disposta a fazer. Já a atual versão do Fiesta, lançada em 2013, sairá de linha.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.