McCain defende poupar energia e explorar mais petróleo

O candidato do Partido Republicano àPresidência dos EUA, John McCain, deve discursar na terça-feirapara defender a necessidade de poupar energia e a derrubada doveto à exploração de petróleo e gás natural como formas deajudar o país a enfrentar sua "perigosa" dependência doscombustíveis importados. McCain, um senador pelo Estado do Arizona que conquistou avaga de seu partido no pleito nacional de novembro, fez daautonomia do setor energético e do combate às mudançasclimáticas elementos centrais de sua campanha pela Casa Branca. Os preços cada vez mais altos do petróleo e da gasolinacolocaram a questão energética no centro da disputa entreMcCain e o democrata Barack Obama para suceder o presidenteGeorge W. Bush. Na terça-feira, em um discurso cujo texto foi divulgado comantecedência, o republicano deve dizer que o preço doscombustíveis continuará a subir. "Vários ministros do petróleo e empresas de investimentonos informaram, em caráter confidencial, que logo pagaremos 200dólares o barril e até 7 dólares o galão (3,78 litros) degasolina", deve afirmar o candidato. Diminuir o consumo de energia --uma estratégia adotadapelos europeus na luta contra o aquecimento global-- seria algofundamental para os EUA, deve dizer McCain. "Diante das mudanças climáticas e de outros grandesdesafios, poupar energia deixou de ser apenas um luxo moral ouuma virtude pessoal", deve afirmar. "Poupar energia serve a umameta nacional crítica." No discurso, McCain descreve a segurança energética dos EUAcomo uma "situação perigosa" e defende uma reforma nas leis eregulamentações que regem o mercado de futuros do petróleo afim de tornar essas regras mais eficientes. O republicano diz ainda que os EUA possuem 21 bilhões debarris em reservas conhecidas de petróleo que não estão sendoexplorados por causa de uma moratória federal sobre aprospecção e a produção. "Eu acredito ter chegado a hora de o governo federallevantar essas restrições e começar a usar nossas própriasreservas", afirma McCain no texto do discurso. "Podemos fazerisso de forma consistente com os padrões sensatos de proteçãoao meio ambiente."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.