Média de cheques sem fundo aumenta

A média de cheques sem fundos emitidos por correntista cresceu 22% em dois anos. Em julho de 98, o consumidor passava em média 8,9 cheques sem fundos e atingiu 10,9 cheques em maio de 2000. De acordo com Marceo Solimeo, economista da Associação Comercial de São Paulo(ACSP), um dos motivos para o crescimento é o aumento de golpes com cheques roubados e falsificados.Além disso, existe uma determinação do Banco Central que permite a todo cliente um talão de cheques por mês, independente de ter saldo suficiente em conta corrente. Isso possibilita que alguns consumidores acumulem talonários em casa e, em momentos de dificuldade financeira, utilizem os cheques, mesmo que sem fundos, para o pagamento de dívidas vencidas.Os consumidores que emitiram os cheques sem fundos têm outros motivos. De acordo com a pesquisa, 44% do total de pessoas ouvidas pela ACSP revelaram que o desemprego foi a principal causa. Solimeo informa que em 98, essa justificativa era dada por 40% dos entrevistados. "O crescimento é pequeno, se comparado ao aumento da média de cheques sem fundos por correntistas. Isso indica que realmente o aumento do número de golpes praticados com cheques deve ser mais significativo", conclui Solimeo. O economista lembra que essa realidade já é constatada por lojistas, que percebem diariamente um número maior de golpes e falsificações com cheques.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.