Média diária de exportação cresce 32,8%

A balança comercial brasileira teve saldo positivo de US$ 929 milhões na terceira semana de setembro, o que ampliou o superávit acumulado em 12 meses para US$ 8,630 bilhões. Desta vez, o superávit não cresceu apenas por causa da queda das importações, mas também devido a uma elevação expressiva das exportações.O aumento refletiu a regularização das vendas de soja, que não vinham sendo inteiramente contabilizadas nas estatísticas oficiais, como foi revelado pela Agência Estado. De acordo com boletim divulgado pelo Ministério do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC), a média diária das exportações na terceira semana subiu para US$ 376,6 milhões, um crescimento de 32,8% em relação à média acumulada até a segunda semana, que havia sido de US$ 283,5 milhões.A alta resultou sobretudo do aumento de 66% das exportações de produtos básicos (principalmente soja em grão, farelo de soja, minério de ferro, carnes de frango e suína, petróleo, café e milho em grão) e de 61% nas vendas de semimanufaturados (óleo de soja, açúcar, semimanufaturados de ferro e aço, celulose e alumínio). No caso da soja, a média diária das exportações subiu 48%, de US$ 74,310 milhões na segunda semana de setembro para US$ 110,380 milhões na terceira semana.O aumento reflete o registro das guias de exportação que não haviam sido contabilizadas pela Receita Federal na ocasião do embarque, por causa da greve dos fiscais aduaneiros. O governo encontrou uma diferença de US$ 600 milhões entre o que foi declarado pelo setor e as exportações registradas no Siscomex. Agora, as guias estão sendo regularizadas.Em contraste com a boa performance dos básicos e semimanufaturados, a média diária das exportações dos produtos manufaturados teve uma ligeira queda - de 1,7% - em relação à segunda semana de setembro. Houve redução nas vendas de açúcar refinado, motores para veículos, calçados, autopeças, suco de laranja, bombas e compressores, e crescimento nas exportações de automóveis de passageiros, aparelhos transmissores e receptores, aviões, óleos combustíveis, laminados planos de ferro e aço e móveis.Em comparação com setembro de 2001, os dados mostram que, em termos de média diária, as exportações totais das três primeiras semanas deste mês (US$ 314,5 milhões) cresceram 25,7%. Houve alta de 67,1% na média diária dos produtos básicos, de 44 1% para os semimanufaturados, mas de apenas 2,7% no caso dos manufaturados. As receitas obtidas com a soja neste mês estão 170,2% mais altas do que em setembro do ano passado, e 173,2% maiores do que em agosto último.Do lado das importações, a média diária da terceira semana (US$ 190,5 milhões) caiu 13% em relação à média de setembro de 2001 (US$ 218,9 milhões). As maiores quedas ocorreram com os seguintes produtos: automóveis e partes (42,4%) equipamentos eletroeletrônicos (31,1%), químicos orgânicos e inorgânicos (25,2%), cereais e produtos de moagem (22,8%), equipamentos mecânicos (18,2%), adubos e fertilizantes (12,7%), farmacêuticos (12,6%) e instrumentos de ótica e precisão (12 1%).

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.