Renda extra

Fabrizio Gueratto: 8 maneiras de ganhar até R$ 4 mil por mês

Média empresa aérea ganha espaço

Participação das companhias OceanAir, WebJet e Azul subiu de 4,58% para 10,09% em um ano, segundo Anac

Alberto Komatsu, RIO, O Estadao de S.Paulo

18 de maio de 2009 | 00h00

A entrada de 11 empresas aéreas no mercado doméstico nos últimos cinco anos pouco fez para estimular a aviação regional. Mas, a estreia de WebJet e Azul nesse prazo formou um grupo que começa a "arranhar" o duopólio formado pela TAM e Gol/Varig. Levantamento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) mostra que seis companhias regionais, duas de carga, duas de médio porte e a nova Varig assinaram contratos de concessão desde 2004. Por outro lado, 11 concorrentes deixaram de fazer voos regulares desde então. A análise dos dados de demanda aérea referentes a abril, da Anac, indica que a hegemonia do duopólio começa a perder terreno. A participação da TAM e da Gol/Varig, que em abril de 2008 representava 93,56% dos voos nacionais, caiu para 87,97% no mês passado - um recuo de 5,59 pontos porcentuais. Já a participação do grupo intermediário - OceanAir, WebJet desde 2005 e Azul desde dezembro - subiu de 4,58%, em abril de 2008, para 10,09% no mês passado, o que representou uma expansão de 5,51 pontos porcentuais. "WebJet, OceanAir e Azul prestam um serviço completamente diferenciado. Elas oferecem maior conforto, com maior espaço entre os assentos, um serviço de bordo melhor do que o da TAM e o da Gol, além das tarifas altamente competitivas", afirma o consultor aeronáutico Paulo Bittencourt Sampaio. O especialista em aviação da consultoria Bain & Company, André Castellini, diz que o crescimento da Azul, OceanAir e WebJet se deu basicamente por causa da perda de participação de mercado da Gol/Varig. Os dados da Anac de abril mostram que a companhia perdeu 7,67 pontos porcentuais no fluxo de passageiros transportados, que recuou de 46,44% em abril de 2008 para 38,77% no mês passado. Já a fatia da TAM subiu de 47,12% para 49,20% no mesmo período. TARIFAS"Foi uma perda da Gol e não do duopólio. Aquele grupo intermediário se fortaleceu às custas da Gol. A Azul está ganhando participação graças a tarifas introdutórias muito baixas. A questão é se isso vai conseguir se manter. E a WebJet aumentou a frota", afirmou Castellini. O presidente da Gol/Varig, Constantino de Oliveira Júnior, diz que já esperava um recuo da participação de mercado. Segundo ele, a atual fatia de 38,7% representa uma empresa mais rentável do que a que tinha 46,4% em abril de 2008. "Sem dúvida que a concorrência interfere, mas o crescimento deles (Azul, OceanAir e WebJet) a gente tem que entender até onde existe qualidade. Não estamos no momento de crescer a qualquer custo. Estamos num momento de buscar racionalização e uma lógica no nosso crescimento", afirmou. ESTAGNAÇÃOApesar da entrada de seis novas empresas aéreas regionais desde 2004 (Cruiser, Mega, Team, Air Minas, Sete e NHT), a participação desse segmento no total de voos domésticos ficou estagnada. Em abril de 2008, ela era de 1,8% e passou para 2%, no mês passado.O levantamento da Anac mostra, ainda, que mesmo o reforço de novas empresas em voos para cidades de baixa e média demanda não aumentou o número de municípios brasileiros atendidos pela aviação regional. Ao contrário, em 2004 eram 151 cidades. Atualmente, são 126. "Não temos competitividade porque não temos escala. O governo tem de fazer a parte dele. Temos sérios problemas de infraestrutura em aeroportos que limitam o crescimento das empresas", diz o presidente da Associação Brasileira das Empresas Aéreas de Transporte Regional (Afetar), Apóstole Luzira Chryssafidis.O diretor da Anac, Marcelo Guaranys, diz que o importante é que a livre iniciativa possa acontecer no mercado aéreo, mas concorda que há problemas de infraestrutura nos aeroportos. "É lógico que a infraestrutura pode ser uma barreira à entrada de novas empresas, tanto na forma de acesso quanto no que ela oferece para as companhias", diz ele. O médico anestesista Marcos Solano Vale acredita que a aviação "é o transporte do futuro", mas está com dificuldades para fazer decolar a mais nova empresa aérea do País. Ele fundou a Sol Linhas Aéreas, com apenas um turboélice para 19 passageiros, e planeja fazer dois voos diários, sendo um entre Curitiba, Cascavel e Foz do Iguaçu, e outro ligando Cascavel a Maringá. A empresa já recebeu a autorização jurídica, mas aguarda a certificação final. O plano de Vale é decolar o primeiro voo em meados de junho. "A dificuldade de infraestrutura em aeroportos é muito grande. Estou com avião no Brasil, com equipe contratada, mas tem alguns problemas que não conseguimos contornar. A população está ligando para comprar passagem, mas a companhia de energia elétrica não tem nem rede para puxar transformador no aeroporto de Cascavel", reclama Vale. NÚMEROS11 empresasaéreas estrearam no mercado brasileiro nos últimos cinco anos87,97%era a participação da TAM e da Gol/Varig nos voos nacionais no mês passado, comparados a 93,56% em abril de 200810,09%era a fatia do grupo intermediário - OceanAir, WebJet e Azul - em abril deste ano, comparado a 4,58% no mesmo mês de 2008

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.