Medicamentos tiveram aumento de até 9,93%

O Conselho Regional de Farmácia do Distrito Federal divulgou há pouco o resultado de uma pesquisa nacional mostrando que os preços de 381 medicamentos tiveram reajuste de 0,02% a 9,93%. Os novos preços entraram em vigor em 1º de março. Segundo nota distribuída pelo Conselho, os reajustes infringem medida provisória que o governo editou em dezembro de 2000 congelando os preços dos remédios no País até o dia 31 de dezembro de 2001. A medida provisória permite que os laboratórios reajustem os preços de seus medicamentos em até 5,94%, desde que mantidos os índices até o final de 2001. De acordo com a pesquisa, o preço do remédio Tostegonfoi o que registrou o maior aumento. O Conselho encaminhou denúncia ao Ministério da Saúde e à Câmara de Medicamentos pedindo a punição dos laboratórios que aumentaram os preços acima dos índices permitidos pela medida provisória. O Conselho, apesar de ser um órgão regional, realiza mensalmente pesquisa em todo o território brasileiro sobre evolução de preços de mais de cinco mil ítens do setor de medicamentos.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.