Médici é lembrado por Embrapa e Itaipu

Acostumado a elogiar o governo Ernesto Geisel, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva fez ontem referências positivas a outro presidente do regime militar, o general Emílio Médici, cujo governo marcou o período mais duro da repressão política. "Um dos presidentes que permitiu que a gente vivesse o momento político mais crítico da história do País, o presidente Médici, foi o homem que assinou a criação da Embrapa e foi o homem que assinou Itaipu", discursou Lula no aniversáriode 35 anos da criação da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa). "Cada um de nós tem uma coisa boa para oferecer, têm coisas ruins dentro da gente e não poderemos ficar julgando eternamente as pessoas por um gesto, dois gestos, sem compreender outros gestos que as pessoas fizeram. Cada um de nós será julgado pelo que fez, pelo que deixou de fazer, pelos erros, pelos acertos." Presente à cerimônia, o ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, destacou a contratação de 750 novos pesquisadores agrícolas e a instalação de novos centros de pesquisa da Embrapa, em Mato Grosso, Tocantins e Maranhão. O ministro fez questão de agradecer a liberação dos recursos aos ministros da Fazenda, Guido Mantega, e do Planejamento, Paulo Bernardo. "Fico preocupado porque não consigo ter divergências nem com o ministro da Fazenda nem com o do Planejamento. Não sei se eles estão dando demais ou eu estou pedindo de menos", brincou. Embora ausente, a chefe da Casa Civil, Dilma Rousseff, foi lembrada por Stephanes. "Eu gostaria que a ministra Dilma também fosse a mãe do PAC da pesquisa agrícola."

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.