Medida injeta R$ 7 bi no mercado

A redução no preço do diesel vai injetar R$ 7 bilhões na economia brasileira, volume referente à redução de custos com a aquisição do combustível. O cálculo é do Instituto de Logística e Supply Chain (Ilos), que vê na medida do governo um importante fator de estímulo à economia. Segundo a entidade, entre os setores mais beneficiados estão a agroindústria e as indústrias de siderurgia e metalurgia e papel e celulose."De alguma forma, é dinheiro novo que estará entrando na economia. E, em um momento de recessão, isso é muito importante", afirmou o diretor do Ilos, Maurício Lima. O cálculo leva em conta a redução no custo do frete, que chega a R$ 3,9 bilhões por ano, e a economia de custo de indústria, governo e outros usuários do combustível. Para a agroindústria, haverá queda nos gastos de operação de tratores e maquinário. "Isso é muito importante, pois toda a cadeia produtiva agrícola tem sofrido muito com os preços elevados, com a alta do diesel muito acima da inflação", comentou o presidente da Associação Brasileira da Indústria Produtora e Exportadora de Carne Suína (Abipecs), Pedro Camargo Neto. Segundo o Ilos, 7,3% do faturamento do setor é destinado ao transporte. A cadeia de açúcar e álcool espera redução de 1% nos custos. Além disso, a manutenção do preço da gasolina nas bombas evita perda de mercado pelo etanol. "Foi uma combinação positiva", avaliou o diretor da União da Agroindústria Canavieira (Única), Antônio Pádua.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.