Medidas da UE atingem exportações da CSN e Villares

As medidas de salvaguarda anunciadas hoje pela Comissão Européia, de tarifas extra-cotas que variam entre 14,9% e 26% para as importações de folhas-de-flandres, barras e perfis de alta liga atingem diretamente as exportações da Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), única produtora de folhas-de-flandres no Brasil. A Aços Villares, que produz aço de alta liga também deve ser afetada.Segundo informações da CSN, 25% da produção da siderúrgica destina-se ao mercado de embalagens, o equivalente a 1 milhão de toneladas de aço por ano, das quais 300 mil toneladas são destinadas à exportação, que seguem para mais de 60 países.A unidade de aços especiais de alta liga da Villares, por sua vez, respondeu por 34% da receita líquida consolidada da empresa em 2001. As exportações totalizaram US$ 51 milhões e representaram 47% do volume total vendido em 2001. Comparativamente ao exercício de 2000, as exportações de 2001 foram 2% menores em volume e 20% maiores em valor.Sem efeitoA Gerdau não deverá ser afetada pelas medidas de salvaguardas anunciadas nesta segunda-feira pela Comissão Européia às importações de aço. Segundo informações da empresa, apesar de ser grande produtora de barras e perfis, a empresa não exporta para países da União Européia. A empresa informou ainda que a sua controlada a Açominas, também não deverá ser atingida, uma vez que as exportações da empresa se concentram em produtos semi-acabados.As vendas consolidadas do grupo Gerdau atingiram 7,4 milhões de toneladas em 2001. O Brasil foi responsável por 4,7 milhões de toneladas vendidas e concentrou 3,6 milhões de toneladas desse volume. O 1,1 milhão de toneladas restantes foi exportado, mas a empresa não revela para quais mercados.No exterior, a empresa comercializou 2,7 milhões de toneladas. As unidades do Uruguai, Argentina e Chile venderam juntas 376 mil toneladas, um incremento de 7,1%, impulsionado pela crescente demanda do mercado chileno. As usinas nos Estados Unidos e Canadá apresentaram 1,3% de evolução, chegando a 2,3 milhões de toneladas.A produção consolidada de aço bruto do grupo Gerdau alcançou 7,3 milhões de toneladas no ano passado. As usinas no Brasil responderam por 64% do total e as operações no exterior por 36%.ÁsiaA Açominas é uma empresa tradicionalmente exportadora. Das 2,146 milhões de toneladas vendidas pela empresa no ano passado, 41,5% destinaram-se ao mercado interno e 58,5% seguiram para o mercado externo.O Sudeste Asiático, com Cingapura, Taiwan e Malásia, foi o principal mercado da Açominas no ano passado, respondendo por 25% das exportações da siderúrgica. Já outros países como Coréia e Japão responderam por 10% das vendas externas da Açominas.Os Estados Unidos e Canadá responderam por 11,09% das vendas externas e a América do Sul, por 6%. A América Central, África e Europa responderam por 2,72%, 1,78% e 1,99%, respectivamente.

Agencia Estado,

25 de março de 2002 | 13h45

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.