coluna

Dan Kawa: Separar o ruído do sinal é a única forma de investir corretamente daqui para a frente

Medidas de segurança elevam preços das passagens aéreas

O setor aéreo europeu gasta mais de 3,6 bilhões de euros por ano em medidas de segurança para tentar evitar ataques terroristas no transporte de passageiros no continente. Um levantamento publicado na última quarta-feira pela Comissão Européia estima que esses custos extras têm sido cobertos pelos consumidores que são obrigados a pagar passagens mais caras. O incremento em um bilhete aéreo pode ser de 2% por conta dos custos de segurança.Com os ataques de 11 de setembro de 2001, nos Estados Unidos, a questão da segurança nos transportes aéreos se tornou uma prioridade. Uma série de leis foi adotada por Bruxelas desde então para reforçar a segurança, mas quem tem arcado com esses custos são os próprios viajantes. Segundo a Comissão Européia, as companhias de aviação têm gastos de cerca de 1,6 bilhão de euros por ano com medidas de segurança. Já os aeroportos da região destinam outros 1,3 bilhão de euros. Uma parcela bem menor é paga pelos governos. O que Bruxelas defende, portanto, é que os países destinem maiores recursos para dividir a conta com as empresas e aeroportos. Segundo o levantamento, a proteção dos cidadãos de ataques terroristas é um deve do estado e, portanto, os investimentos nessa área devem sair de recursos públicos também. No transporte marítimo, os gastos em aumentar a segurança chegam a 100 mil euros por embarcação. Com 1,2 mil portos espalhados pelo continente e quase dez mil navios, os europeus reconhecem que estão sendo obrigados a investir em novas medidas de segurança. Assim como no setor aéreo, porém, não são os governos os maiores responsáveis pelo pagamento da conta, e sim as operadoras marítimas e administrações de portos.

Agencia Estado,

03 de agosto de 2006 | 15h33

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.