Medidas do BC inibem componente especulativo do dólar, diz Garófalo

O efeito real das novas medidas anunciadas hoje pelo Banco Central para conter a alta do dólar só poderá ser avaliado pela reação do mercado nos próximos dias, avalia o ex-diretor de Assuntos Internacionais do BC, Emílio Garófalo Filho. "Não existe manual para operar câmbio. Assim como o mercado testa o BC, o BC também tem de testar o efeito de suas medidas no mercado", comentou Garófalo em entrevista à Agência Estado. "Isso porque o mercado sempre reage exageradamente na sequência desse tipo de anúncio, para cima ou para baixo", disse. "O cenário externo e eleitoral não permitem que o BC fique fora do jogo."Para Garófalo, uma das vozes mais ativas na defesa de um BC mais atuante no câmbio, o efeito das medidas anunciadas hoje se dará sobre o componente especulativo na formação de preços do dólar. "O simples fato de o Banco Central se mostrar mais ativo causa uma redução no ímpeto especulativo do mercado", avalia. Mas esse efeito, segundo ele, limita-se basicamente a isso.Ou seja, a pressão cambial decorrente da secura de linhas de financiamento externo e da redução do fluxo voluntário de capitais para o Brasil continua forte. "Esses vencimentos de cambiais não seriam nenhum problema se não houvesse essa crise externa com secura das trade finance e da recomendação dos bancos centrais de redução da exposição dos bancos a emergentes", afirmou o especialista.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.