Medidas garantem 20 milhões de empregos, diz OIT

Juan Somavia, da OIT, diz que esse é o número de vagas salvas ou criadas por políticas[br]antícrise do G-20

Rolf Kuntz, O Estado de S.Paulo

25 de abril de 2010 | 00h00

Vinte milhões de empregos serão criados ou salvos em 2010 nos países do Grupo dos 20 (G-20), graças às políticas anticíclicas adotadas a partir do início da crise, disse ontem o diretor-geral da Organização Internacional do Trabalho (OIT), Juan Somavia. O ano começou, no entanto, com 212 milhões de desempregados em todo o mundo, um nível recorde, segundo a organização.

Mas esse número é apenas a ponta do iceberg, porque muitos trabalhadores deixaram temporariamente de procurar emprego, por desânimo, outros foram forçados a trabalhar em tempo parcial, especialmente nos países em desenvolvimento, e outros estão em atividades informais, acrescentou Somavia.

Desde 2008, houve um acréscimo de 100 milhões no contingente de trabalhadores pobres, por efeitos diretos e indiretos da crise, segundo estimativa citada por Somavia.

Os governos terão de retirar os estímulos fiscais - cortes de impostos e aumento de gastos - e a geração de empregos ficará na dependência do setor privado, lembrou Somavia. Mas os governos, acrescentou, terão de dosar cuidadosamente a mudança de política, levando em conta a retomada do consumo pelas famílias e do investimento pelas empresas.

Em muitos países, por causa da recuperação econômica ainda fraca, ''os estímulos fiscais planejados parra 2010 deveriam ser plenamente postos em prática'', recomendou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.