Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Estadão Digital
Apenas R$99,90/ano
APENAS R$99,90/ANO APROVEITE

Medidas melhoram confiança da indústria de duráveis

Apesar do endividamento das famílias e do ritmo lento do mercado externo que influenciaram a queda de 0,3% da prévia do Índice de Confiança da Indústria (ICI) de julho, as últimas medidas do governo de incentivo à economia já tiveram resultado sobre as expectativas da indústria de bens duráveis, sobretudo a automobilística. A pesquisa revela ajuste no estoque das montadoras de automóveis e fornecedores, porém não o suficiente para elevar o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI), estabilizada em 83,8% em julho, idêntico à média dos últimos cinco anos, segundo o economista do Instituto Brasileiro de Economia da Fundação Getulio Vargas (Ibre/FGV), Aloisio Campelo.

FERNANDA NUNES, Agencia Estado

20 de julho de 2012 | 13h51

"O setor de bens duráveis demonstra uma recuperação lenta da confiança desde junho. Há carros estocados e, por isso, ainda não foi percebido um reflexo significativo na produção. Mas é possível prever que, caso os duráveis continuem colocando o estoque na praça, a utilização da capacidade tende a crescer", afirmou o economista.

Por enquanto, a melhora da confiança do setor de bens duráveis também não repercutiu em aumento da demanda do setor intermediário, que continua pessimista sobre os rumos da economia e aumento da produção. O mesmo ocorre com a categoria de bens de capital. Em contrapartida, o setor de material de construção demonstrou recuperação da confiança, por conta da intensificação de obras do governo, e o de não duráveis permanece sendo beneficiado pela renda no mercado interno.

O Índice de Expectativa, que na prévia de julho subiu 0,5%, após queda de 1,4% em junho, está oscilando mês a mês, em uma demonstração de cautela por parte da indústria, desconfiada ainda com um descasamento entre as projeções e concretização da demanda. "Já houve dois episódios em que a demanda não aconteceu. O primeiro foi no fim do ano passado e o seguinte, no segundo trimestre deste ano. A posição, agora, é de cautela", argumenta Campelo.

Tudo o que sabemos sobre:
confiançaindústriaFGVduráveis

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.