Medidas rígidas contra bancos nos EUA podem gerar duplo mergulho, diz O'Neill

Para ele, EUA deveriam ser cuidadosos para não encorajar um novo ambiente de extrema aversão ao risco

Nalu Fernandes, da Agência Estado,

12 de fevereiro de 2010 | 18h02

A adoção de medidas muito rígidas para regular o sistema bancário nos Estados Unidos pode levar o país a experimentar uma recaída na recessão, ou o chamado duplo mergulho (double dip). A advertência foi feita por Jim O'Neill, chefe de pesquisa econômica global do Goldman Sachs, ao programa AE Broadcast Ao Vivo.

 

Conhecido por cunhar o acrônimo BRIC para designar o grupo dos grandes emergentes Brasil, Rússia, Índia e China, O'Neil, que também é colunista do jornal O Estado de São Paulo, avalia que os Estados Unidos deveriam ser realmente cuidadosos para não encorajar um novo ambiente de extrema aversão ao risco. "Isto seria muito negativo em termos de tentar transformar esta frágil recuperação em algo mais fraco", afirmou.

 

Ao citar evidência de "sinais perturbadores" em Washington, o especialista diz que o tema que envolve "ataque" a bancos e reforma do sistema bancário é mais preocupante do que os problemas de dívida soberana e questões na Europa, atualmente. O'Neill diz que o foco em dívida soberana é uma questão importante, mas acrescenta que, pessoalmente, está "relativamente mais relaxado sobre isso do que a maior parte das pessoas". A razão, ponderou ele, é que a Grécia representa um problema para a credibilidade monetária da União Europeia, mas o país não é grande o bastante para ser relevante em escala global. "Preocupo-me mais com as autoridades apertando muito as políticas fiscais, e muito cedo, pois muitos países ocidentais ainda precisam da ajuda da política fiscal", acrescentou.

 

Mais preocupante, reitera O'Neill, são os sinais no Reino Unido e nos EUA de que os políticos continuam tentando adotar medidas "muito populares para atacar bancos e reformar o sistema bancário". As autoridades precisam ser muito cuidadosas sobre como vão executar isso, pois não querem encorajar o sistema financeiro se tornar excessivamente cauteloso novamente". O executivo avalia que todas as razões que preocupam as pessoas sobre um duplo mergulho dos EUA na recessão "são reais" e sugerem que os políticos devem ser realmente cuidadosos.

 

Tudo o que sabemos sobre:
O'Neill, Goldman Sachs, crise

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.