Medo, aversão e Brexit

Estamos a quatro meses e meio da eleição presidencial nos Estados Unidos. Mas uma votação na próxima semana será tão importante para o futuro do mundo quanto a que ocorrerá aqui: o referendo na Grã-Bretanha sobre a permanência ou não do país na União Europeia. Infelizmente essa votação será uma escolha entre o ruim e o pior.

Paul Krugman, The New York Times

18 Junho 2016 | 05h00

Sem falsa modéstia: eu votaria na permanência. E votaria plenamente consciente de que a União Europeia está profundamente disfuncional e mostra poucos sinais de reforma. Mas a saída dos britânicos – que está sendo chamada de Brexit – provavelmente tornará as coisas piores, não só para a Grã-Bretanha como para a Europa no geral.

O Brexit tornaria a Grã-Bretanha mais pobre. Não levaria necessariamente a uma guerra comercial, mas definitivamente prejudicaria o comércio britânico com o restante da Europa, reduzindo a produtividade e a renda. Segundo meus cálculos rudimentares, que se harmonizam com outras estimativas, a Grã-Bretanha ficará 2% mais pobre, e basicamente para sempre. Um golpe duro.

É mais difícil quantificar o risco que o Brexit trará para a City de Londres – o Wall Street londrino – importante fonte de exportações e renda. Neste caso, os custos poderão ser substancialmente maiores.

E quanto aos alertas de que um voto pela saída provocará uma crise financeira? Um temor muito distante. A Grã-Bretanha não é a Grécia; ela tem sua própria moeda e toma emprestado nessa moeda, de modo que não há risco da corrida aos bancos que gera o caos monetário. Nas últimas semanas, as probabilidades de um voto a favor da saída da UE aumentaram claramente, mas as taxas de juro britânica caíram, e não subiram, acompanhando o declínio global dos rendimentos.

Mas no aspecto econômico o Brexit é uma má ideia.

Na verdade, seus defensores alegam que a saída da União Europeia deixará a Grã-Bretanha livre para fazer coisas espetaculares – desregulamentar e desatrelar a mágica dos mercados, o que resultará num crescimento explosivo. Lamento, mas isso é ilusório. É a mesma fantasia do livre mercado que sempre e em toda a parte provou ser também uma ilusão.

Mas o argumento econômico é muito sólido como costuma ser sempre. Então porque insisto na permanência?

Parte da resposta é que o impacto do Brexit não seria uniforme. Londres e o sudeste da Inglaterra seriam fortemente atingidos, mas o Brexit provavelmente levará a uma moeda mais fraca, o que pode na verdade ajudar antigas regiões de manufatura no norte do país. Mais importante, contudo, é a triste realidade da União Europeia que a Grã-Bretanha pode deixar.

Bloco econômico. O chamado projeto europeu teve início há mais de 60 anos e durante décadas foi uma tremenda força para o bem. Não só promoveu o comércio e colaborou para o crescimento econômico. Foi também um baluarte da paz e da democracia num continente com uma terrível história.

Mas a União Europeia hoje é a terra do euro, um grande erro cometido por insistência da Alemanha, transformando a crise da moeda única num problema moral envolvendo pecados (cometidos pelos outros, naturalmente) que tinham de ser pagos por cortes devastadores de orçamento. A Grã-Bretanha teve o bom senso de manter sua moeda, mas não ficou isolada de outros problemas de alcance europeu, especialmente da questão da livre migração. Pode-se alegar que os problemas causados, digamos, pelos romenos que usam o Serviço Nacional de Saúde, são exagerados e que os benefícios da imigração compensam e muito esses custos. Mas é um argumento difícil de ser aceito por uma população frustrada com os cortes dos serviços públicos – especialmente quando a credibilidade dos que defendem a permanência na UE está tão baixa.

E o mais frustrante com relação à União Europeia é que ninguém parece reconhecer os erros nem aprendeu com eles. Se algum exame de consciência foi feito em Bruxelas ou em Berlim no tocante ao terrível desempenho econômico da Europa desde 2008, é difícil saber. E tenho simpatia pelos britânicos que não querem ficar ligados a um sistema que arca tão pouco com as responsabilidades, mesmo que a saída da União Europeia vá custar muito caro.

O problema, no entanto, é se o voto britânico pela saída tornará as coisas melhores. Poderá servir como um choque salutar que, enfim, vai tirar as elites europeias da sua zona de conforto e levar a reformas. Mas temo que as coisas ficarão piores. Os fracassos da UE acarretaram um aumento aterrador do nacionalismo racista, reacionário, mas o Brexit provavelmente reforçará esse sentimento ainda mais, na Grã-Bretanha e em todo o continente.

Obviamente posso estar errado no tocante a essas consequências políticas. Mas é possível que meu desespero com relação à reforma europeia seja exagerado. Como Simon Wren Lewis, de Oxford, sublinhou, a Grã-Bretanha ainda terá a opção de deixar a União Europeia um dia, caso o voto pela permanência seja vencedor, mas uma saída será efetivamente irreversível. É preciso estar realmente seguro de que a Europa é irreparável para apoiar uma saída. De maneira que voto na permanência. Sem alegria. Mas tenho de me decidir e esta é minha opção. / TRADUÇÃO DE TEREZINHA MARTINO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.