carteira

As ações mais recomendadas para dezembro, segundo 10 corretoras

Medvedev afirma que Rússia começa a sair da crise econômica

Presidente russo destacou que seu governo adotou uma série de medidas anticrise que surtiram efeitos

Efe,

21 de outubro de 2009 | 10h46

O presidente da Rússia, Dmitri Medvedev, afirmou nesta quarta-feira, 21, que o país começa a sair da crise e que a economia acompanha o mesmo padrão mundial. "Nossa economia acompanha o ritmo do desenvolvimento da economia mundial. Isso é bom, porque se tivéssemos diferenças para pior, seria um mau sinal", disse o chefe do Kremlin, citado pela agência RIA Novosti, em reunião com a direção da União de Industriais e Empresários da Rússia (UIER).

 

Veja também:

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

 

O presidente russo destacou que o Executivo adotou uma série de medidas anticrise, incluído um programa especial que em geral funcionou. "Os resultados preliminares do terceiro trimestre mostram que, apesar de toda a profundidade da queda de nossa economia - que ninguém esperava -, estamos começando a nos levantar", acrescentou.

 

Ao mesmo tempo, Medvedev se mostrou autocrítico na gestão do gasto público e na disciplina orçamentária. "Neste âmbito estamos muito mal. Criticamente mal", admitiu.

 

Na véspera, o primeiro-ministro russo, Vladimir Putin, criticou duramente às autoridades regionais e locais pelo emprego deficiente dos recursos públicos no campo da saúde e a educação.

 

O chefe do Estado estimulou os empresários e industriais a investirem no país. "Entendemos que vocês com frequência, sobretudo nesse período mais ou menos tranquilo, investiram em negócios no estrangeiro, o que não estava mal", disse Medvedev, e acrescentou: "Nós, me refiro ao Estado e a sociedade, temos direito a esperar esse mesmo grau de atividade no mercado interno".

Tudo o que sabemos sobre:
RússiaDmitri MedvedevRússiacrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.