Evelson de Freitas/Estadão
Evelson de Freitas/Estadão

Meio digital amplia audiência dos jornais

Publicitário Nizan Guanaes fala no Maximidia 2015 sobre amplitude e qualificação do público mobilizado pelos conteúdos jornalísticos

O Estado de S. Paulo

07 Outubro 2015 | 06h41

Os jornais brasileiros nunca foram tão lidos quanto hoje. Segundo o publicitário Nizan Guanaes, do grupo ABC, isso precisa ficar mais claro tanto para o consumidor quanto para o mercado publicitário. Na opinião de Nizan, a audiência dos jornais tem sido subestimada ao longo dos anos – e é hora de corrigir o problema. “O protagonismo do jornal é inegável, pois as pessoas hoje leem jornal o tempo inteiro. É difícil para a gente se desligar da notícia”, afirma o sócio-fundador do Grupo ABC, que reúne agências como Africa, DM9DDB, Pereira & O’Dell e CDN. O publicitário fará hoje apresentação sobre a força do meio jornal, no evento Maximidia 2015. 

Para o publicitário, é inaceitável a noção de que o jornal vá perder relevância. Em sua visão, o consumo de notícias está crescendo em diferentes plataformas. “Como está acontecendo com quase tudo, de táxi a acomodação em viagens, o jornal está migrando para o mundo online. E as empresas jornalísticas finalmente estão atualizando a medição de seu impacto e audiência qualificada.”

Além de mostrar que a audiência total é bem maior do que somente sua circulação impressa, os jornais também precisam ressaltar a qualificação de seu público leitor. “Os números (de audiência dos jornais) são imensos, mas a questão é maior. Quem lê jornal é o empresário, a pessoa que decide, o formador de opinião. É uma audiência engajada, que decide os rumos do País. Os jornais têm um peso inegável”, opina Nizan.

Essa relevância, na visão do sócio do Grupo ABC, fica evidente no crescimento do mercado de relações públicas – que busca a chancela de veículos de comunicação de credibilidade para as marcas. “Sou dono da CDN (empresa de assessoria de imprensa) e sei que as novas tecnologias estão potencializando os jornais.” 

Segundo o diretor executivo da Associação Nacional de Jornais (ANJ), Ricardo Pedreira, as empresas jornalísticas brasileiras se comprometeram, em agosto de 2014, no 10.º Congresso Brasileiro de Jornais, a comunicar sua audiência total, em todos os meios, em vez de focar principalmente no meio impresso. “É como diz a nossa campanha: nunca se leu tanto jornal, hoje as pessoas leem jornal o dia todo.”

Mais conteúdo sobre:
meio digitaljornais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.