Meirelles cita medidas para redução de juro final

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse que existe uma série de medidas em andamento para redução do spread bancário ? diferença entre juros pagos na captação de recursos e taxas cobradas nos empréstimos. Ele citou, entre essas medidas, a Lei de Falências, em tramitação no Congresso; a Cédula de Crédito Bancário, já aprovada; e o pacote de medidas para o desenvolvimento da construção civil, também já editado."Grande parte da redução (do spread) que está acontecendo, e que vai acontecer ainda mais, reside no trabalho do Congresso Nacional, que está aprovando as leis básicas que vão permitir uma melhora", disse ele. Segundo o presidente do BC, o trabalho que o governo vem desenvolvendo nessa área é intenso, mas ele não entrou em detalhes nas novas medidas em estudo no governo.Disse que o ministro da Fazenda, Antonio Palocci, já demonstrou que está profundamente empenhado na ampliação dos investimentos. Segundo Meirelles, esse trabalho é longo e o Brasil, nas últimas décadas, desenvolveu grandes distorções que o governo, agora, está corrigindo. "Os resultados estão aí para mostrar", disse o presidente do BC.PedidosNo debate, ele ouviu do presidente da Confederação Nacional da Indústria, deputado Armando Monteiro Neto (PTB-PE), pedido para que o governo reduza a tributação sobre a intermediação financeira que existe hoje no País.O presidente da CNI disse que essa intermediação encarece o custo do capital e é uma das razões para o spread bancário elevado. Ele pediu, também, uma revisão do regime de compulsórios bancários. Sem responder diretamente ao pedido, Meirelles destacou que já recebeu essa agenda da CNI, que está sendo estudada "com muito cuidado" e já foi levada para o Ministério da Fazenda.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.