finanças

E-Investidor: "Você não pode ser refém do seu salário, emprego ou empresa", diz Carol Paiffer

Meirelles defende atuação preventiva frente à inflação

Um dos motivos para a recessão de um país advém de uma demora do Banco Central em reagir a uma pressão inflacionária, o que faz com que, em um momento posterior, a autoridade monetária "tenha de pisar no breque" e gere recessão. A explicação é do presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, que ponderou que, diante desta possibilidade, o BC tem de agir preventivamente, para que a inflação siga a sua trajetória, garantindo a estabilidade.Outra situação que abre a possibilidade de recessão para a economia de um país, segundo Meirelles, seria por um choque externo. "E isso o Brasil já está resolvendo, com a redução de sua vulnerabilidade externa", disse.Neste ponto, Meirelles cita o aumento do superávit primário a ser alcançado pelo Brasil neste ano - de 4,25% para 4,50% do Produto Interno Bruto (PIB). Superávit primário é a diferença entre o que o governo arrecada e os seus gastos, exceto o pagamento de juros. Quanto maior o superávit, menor é a dependência do País por capital externo, deixando o País menos vulnerável aos choques externos.O presidente também disse que todas as medidas necessárias para garantir o crescimento em 2005 e 2006 estão sendo adotadas e que não se deve, de forma geral, ceder à "tentação fácil" e repetir erros passados.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.