Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Governo vai anunciar meta fiscal nesta terça, às 18h

Ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o governo não trabalha com aumento de impostos e não terá déficit que se aproxime de R$ 170 bi

Eduardo Rodrigues, Renan Truffi e Idiana Tomazelli, O Estado de S.Paulo

15 Agosto 2017 | 11h40

Depois de suspender, reagendar para o dia seguinte, o governo, agora, voltou atrás e confirmou para esta terça-feira, 15, o anúncio da meta fiscal para o período de 2017 e 2018, às 18h. A informação foi confirmada pelo Ministério da Fazenda, que vai organizarm uma coletiva de imprensa na sede da pasta, em Brasília. 

Mais cedo, após reunião com o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e líderes da base do governo no Congresso, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, descartou o aumento de impostos e rechaçou metas que se aproximem de um déficit de R$ 170 bilhões.

A área econômica chegou a cogitar fazer o anúncio ainda hoje, mas as equipes ainda estão fazendo os últimos cálculos de receitas extraordinárias que serão incluídas na programação. Meirelles admitiu que o governo tem dificuldades para calcular os recursos que virão das concessões do setor de energia que, segundo ele, ainda enfrentam questões técnicas de mercado e jurídicas.

"Estamos discutindo as metas de déficit fiscal de 2017 e 2018, que envolvem revisões na arrecadação e no déficit da Previdência. Temos feito no curto prazo todo o esforço na área de energia para viabilizarmos a menor meta possível para este ano", disse Meirelles ao sair da reunião.

O ministro prometeu divulgar o número até o fim desta quarta-feira. Questionado pela imprensa, Meirelles não confirmou se as metas ficarão mesmo em um déficit de R$ 159 bilhões para este e o próximo ano, igualando o rombo registrado no ano passado. "Não existe hoje uma meta de R$ 159 bilhões, mas existe esse cálculo de analistas de mercado de que esse valor seria aceitável e seria suficiente para fazer frente às frustrações de receita. Mas nós estamos esperando o calculo de receitas sobre leilão de energia e de campos de petróleo", afirmou.

+ Área econômica conta com receita de R$ 25 bi para conter rombo

Meirelles descartou a fixação de metas que fiquem entre R$ 165 bilhões e R$ 170 bilhões de déficit e negou que tenha havido novos adiamentos do anúncio, que era esperado para a última quinta-feira e também não aconteceu ontem. "Não houve adiamento porque dissemos que ia ser nesta semana e hoje ainda é terça-feira", argumentou.

Questionado também se a revisão de metas não repetiria ações do governo anterior, que davam sinalizações ruins para o mercado, Meirelles lembrou que o governo Michel Temer apresentou um déficit no ano passado menor que a meta de R$ 170 bilhões daquele ano. "E desta vez a revisão da meta não é por um aumento de despesas, mas sim por uma queda nas receitas que acontece por um fator positivo que é o fato da inflação estar abaixo da meta. Só isso representa uma queda de R$ 20 bilhões na arrecadação", alegou Meirelles.

+ Governo estuda elevar contribuição previdenciária de servidores públicos

Por isso, o governo está tentando repor essa perda com receitas extraordinárias. Meirelles foi enfático hoje ao negar qualquer possibilidade de aumento de impostos. "A carga tributária do Brasil já é uma das mais elevadas do mundo e a sociedade já paga impostos na medida suficiente", respondeu.

Meirelles lembrou ainda que o governo tem feito um grande esforço para conter as despesas discricionárias que já retornaram ao patamar de 2010 e repetiu que o rombo crescente da Previdência é o fator que pressiona as contas públicas e, por isso, é necessária a reforma das aposentadorias. Ele também negou que qualquer aumento na meta possa ser usado para acomodar pedidos de aumentos de gastos feitos pelo Congresso. "Não há espaço para gastos fora do que está orçado", concluiu.

Loading...

Loading...

 

Mais conteúdo sobre:
Henrique Meirelles Michel Temer

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.