Meirelles descarta "bolha" de crescimento

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou hoje que a economia brasileira está crescendo em ritmo sustentado. "Não vivemos e não viveremos uma bolha de crescimento. O crescimento é sustentado", disse. Mas, em seguida, ponderou que a dúvida existente é sobre o nível de crescimento que o País terá nos próximos anos. Ele espera um crescimento acima de 3% em 2004, mas nega-se a afirmar que é possível um crescimento superior a 4%. "O crescimento só poderá ser sustentado com investimentos", acrescentou, ponderando que isso dependerá de um conjunto de medidas. Relações comerciaisMeirelles acenou com uma possível revisão para cima da projeção do saldo da balança comercial para 2004. A estimativa atual do BC é de superávit comercial de US$ 17 bilhões no próximo ano. Segundo ele, essa projeção "é muito preliminar ainda e vai depender da análise de fatores da maior importância". Ele não explicou quais fatores seriam esses.Ele defendeu a abertura da economia brasileira aos mercados internacionais, ponderando que quanto mais aberto o país, menor a vulnerabilidade externa. No entanto, ele destacou que o Brasil precisa defender seus interesses nas negociações comerciais, mas refutou que um dos entraves à entrada do Brasil na Alca seria o aumento do custo de capital. "É exatamente o contrário", afirmou, explicando que na medida em que um país aumenta o comércio exterior, o seu risco diminui e o custo do capital cai, possibilitando maiores investimentos. Meirelles, no entanto, disse que as negociações comerciais são duras, citando os primeiros conflitos entre França e Alemanha na formação da União Européia, como contraponto ao atual embate entre Brasil e Alca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.