Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Meirelles descarta nova revisão de medidas contra a crise

Presidente do BC afirma que algumas medidas adotadas estão sendo revertidas automaticamente

MARINA GUIMARÃES, Agencia Estado

30 de outubro de 2009 | 16h41

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, descartou nova revisão de medidas excepcionais adotadas pelo Brasil para enfrentar a crise financeira mundial, como a redução de compulsórios. "Já fizemos modificações na questão do compulsório, diminuímos o valor de capital de bancos que era destinado a aplicações de direcionamento de compulsório, que era de R$ 7 bilhões, e hoje é de R$ 2,5 bilhões. Portanto, já foi tomada medida nesse sentido", afirmou. Meirelles disse, no entanto, que o BC "evidentemente, nunca anuncia medidas futuras, especialmente sobre compulsório, liquidez ou política monetária".

Veja também:

linkMeirelles reafirma estudo sobre marco regulatório cambial

especialUm ano após auge da crise, economia se recupera

especialAs medidas do Brasil contra a crise

especialDicionário da crise 

especialComo o mundo reage à crise

O presidente do BC citou que "outras medidas de entrada em ação na crise têm uma reversão automática. Um exemplo claro é a política de empréstimos das reservas, cujo saldo chegou a US$ 24,5 bilhões e hoje está em pouco mais de US$ 12 bilhões, exatamente porque houve uma queda na demanda". Ele também mencionou que "outra medida foi a venda de dólares no mercado à vista, que hoje está totalmente revertida". Segundo ele, "o Brasil está comprando dólares, a posição nos mercados futuros também está revertida, o Banco Central está equilibrado nas suas posições em swaps cambiais (operação em que troca-se a taxa de variação cambial por uma taxa de juros)".

Meirelles fez questão de desarmar qualquer especulação em relação ao assunto. "As medidas sobre isso já estão em andamento no Banco Central. Na área fiscal também existe um cronograma anunciado pelo Ministério da Fazenda, no qual está muito claramente definida a questão do IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados) no caso dos automóveis", afirmou. Portanto, continuou, "é um programa natural em andamento, e não é, digamos, como em outros países, onde está se discutindo uma grande data para iniciar um programa". Sobre o déficit fiscal do Brasil, Meirelles não quis fazer comentários, alegando que se trata de atribuição do Ministério da Fazenda.

Em relação às eleições de 2010, Meirelles repetiu em Buenos Aires que só vai anunciar uma decisão sobre eventual candidatura depois de março do ano que vem. "Só tomarei uma decisão a partir de março. No momento, estou 100% dedicado ao Banco Central", afirmou em entrevista aos jornalistas em Buenos Aires.

Tudo o que sabemos sobre:
Henrique MeirellesBCmedidas anticrise

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.