Meirelles destaca que BC não controla taxa de juros do mercado

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, evitou hoje fazer uma análise detalhada sobre as críticas que a política econômica vem recebendo de aliados do governo. O senador Tasso Jereissati (PSDB-CE) questionou o presidente do BC se não haveria uma incompatibilidade na manutenção da estratégia do governo de reduzir gradualmente a taxa de juros, com "uma instabilidade política" provocada por setores de apoio ao governo, que emitiram nos últimos dias notas pedindo mais ousadia na condução econômica. Meirelles reconheceu que o risco país ? taxa que mede a confiança dos investidores estrangeiros na capacidade de pagamento da dívida do país - reflete uma série de componentes incluindo fatores políticos, além dos tradicionais fundamentos macroeconômicos. Entretanto, ele alegou que não cabe ao Banco Central avaliar o efeito de cada movimento, em termos de custo do risco país. O presidente do BC disse ainda que uma maior confiança na estabilidade econômica futura do País, bons indicadores e uma política econômica consistente fazem com que a tendência do risco País e das taxas de juros praticadas no mercado siga uma trajetória de queda. Ainda respondendo ao senador Jereissati, Meirelles enfatizou que o trabalho do Banco Central, em termos de expectativas, busca gerar uma redução das taxas de juros praticadas no mercado. Segundo ele, tentativas de redução da taxa básica de juros, a Selic, de maneira voluntarista podem na verdade afetar a taxa praticada pelo mercado, que é, na verdade, o índice que afeta a economia como um todo. "O importante é que posso assegurar que o BC tem feito a melhor análise e tomado suas decisões, tendo em vista a queda salutar das taxas de mercado".

Agencia Estado,

25 Março 2004 | 14h24

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.