Dida Sampaio/Estadão
Dida Sampaio/Estadão

bolsa

E-Investidor: Itaúsa, Petrobras e Via Varejo são as ações queridinhas do brasileiro

Meirelles diz que investidores estão mais preocupados com a situação política do País

Após encontro com investidores e autoridades, em Londres, o ministro da Fazenda afirmou que esse receio dos investidores é 'normal' durante um processo eleitoral

Célia Froufe, correspondente, Broadcast

22 de janeiro de 2018 | 15h24

LONDRES - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou, nesta segunda-feira, 22, em Londres, que tem notado um aumento da preocupação por parte dos investidores em relação aos desdobramentos políticos no País. As principais dúvidas, disse, recaem sobre como ficará a situação fiscal, econômica ou comercial a partir de 2019. 

"Sim, existe, sim. É normal. Cada vez existe uma maior ênfase e foco no processo eleitoral e como será a política no Brasil", afirmou a jornalistas, após encontro com investidores e autoridades locais.

Sobre a situação da Caixa, envolvida em um grande escândalo de indicações políticos para cargos técnicos no alto escalão, o ministro avaliou que o processo está "correndo normalmente". Ele enfatizou que o novo estatuto foi aprovado no fim da semana passada e que este é um movimento "muito importante".

Em relação à capitalização da instituição, ele voltou a dizer que existe a possibilidade de que o aporte não demande fundos do FGTS porque a Caixa conta com outras fontes de capitalização. Meirelles partirá para Davos ainda hoje, para participar do Fórum Econômico Mundial de Davos.

Julgamento Lula. Meirelles também avaliou que o julgamento do ex-presidente da República Luiz Inácio Lula da Silva, na próxima quarta-feira, 24, é um "processo normal da Justiça" e que o petista deveria participar da campanha à Presidência. Para ele, quanto mais candidato concorrendo à vaga em outubro é melhor do ponto de vista político. Ressaltou, no entanto, que a Justiça é soberana em sua decisão.

"Há consequências políticas, mas eu não tenho olhado isso com foco", disse a jornalistas em Londres, após encontro com investidores e autoridades locais. Ele voltou a dizer que, do ponto de vista político, seria bom que Lula disputasse da corrida presidencial. "Do ponto de vista da Justiça é outra história. A Justiça é soberana e vai tomar sua decisão baseada em todas as evidências", considerou.

Meirelles defende a participação do ex-presidente com o intuito de que se elimine a discussão, no futuro. "Disputou. Ganhou, perdeu, tudo bem", disse. "Politicamente, quanto mais candidatos melhor - não só ele, qualquer um. Todos os candidatos que queiram, do ponto político, é bom. Do ponto de vista judicial, é outra coisa. A Justiça é soberana", defendeu.

Mais uma vez questionado sobre a possibilidade de sua candidatura, Meirelles explicou que o tema esteve na pauta da reunião com investidores, que teve mais cedo, e que repetiu a posição de que só tomaria a decisão no começo de abril. "Não estou pensando nisso no momento", garantiu. Ele disse que tem um desafio muito grande no momento, que é o de consolidar o crescimento do País, com a expectativa de criar 2,5 milhões de empregos. "Estamos trabalhando duro nessa direção, com o foco total na economia. Depois vamos pensar em outros assuntos."

O ministro evitou responder sobre quem poderia o apoiar no caso de lançar seu nome para 2019. "Eu prefiro não entrar nisso, pois já começaria a discutir candidatura. Prefiro dizer que vou deixar para o fim de março essas discussões." Ele defendeu, porém, que o Brasil continue em sua linha atual. "Eu penso que a grande tendência é que o Brasil prossiga nessa linha. Então, que seja eleito um presidente que seja comprometido com esse processo de reformas da economia, de modernização da economia brasileira em andamento."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.