Meirelles diz não temer mudanças na política econômica

Presidente do Banco Central disse que tem falado com empresários e investidores em todo o mundo e que, pela primeira vez na história do País, existe um apoio político da manutenção da estabilidade

Francisco Carlos de Assis, da Agência Estado,

20 de setembro de 2010 | 16h46

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, afirmou nesta segunda-feira, 20, não temer mudanças na condução da política econômica e monetária em um próximo governo, independente de quem seja o presidente eleito. Meirelles se mostrou bastante cauteloso em tocar neste assunto e fez questão de dizer que não queria entrar no debate eleitoral, mas afirmou que tem falado com empresários e investidores em todo o mundo e que, pela primeira vez na história do País, existe um apoio político da manutenção da estabilidade.

"Tenho dito no mundo todo que essa estabilidade gera benefícios para grande parte da população e é evidente, inclusive, o apoio e suporte político à estabilidade", disse Meirelles, que fez questão de destacar que sua fala tem caráter institucional, como presidente do Banco Central. "Agora, quanto à posição dos candidatos, cada um de vocês, como eu, pode ler nos jornais e saber quais são os compromissos de cada um."

Sobre investimentos externos, o presidente do BC disse que eles devem subir não só pelo crescimento porcentual do PIB brasileiro, mas porque as empresas globais já veem hoje o Brasil como núcleo estratégico nas suas programações de investimento. De acordo com Meirelles, o Brasil hoje é o segundo mercado mais atrativo em termos de investimento estrangeiro e já é o primeiro em alguns setores. Isso significa que, além dos investimentos estrangeiros diretos, há também os investimentos indiretos. "Tem fundos nos procurando para investir nas empresas, e não apenas naquelas listadas em bolsa", disse ele, para quem é preciso aumentar a segurança institucional no País.

Meirelles proferiu a palestra "Responsabilidade Macroeconômica para o Crescimento", na sede da Federação das Indústrias do Estado do Paraná (Fiep), em Curitiba.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.