Meirelles diz que BC se comunica por meio das atas

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje que a comunicação da instituição com a sociedade no que se refere à política monetária é feita por meio de dois documentos básicos: as atas das reuniões do Comitê de Política Monetária (Copom) e os relatórios de inflação. "Esses documentos possuem a dimensão e a extensão necessária e suficiente para conter todas as informações necessárias para se compreender o diagnóstico do BC, bem como os critérios e lógica de suas decisões", afirmou, em discurso durante a posse do novo diretor de Assuntos Internacionais do BC, Carlos Hamilton Araújo.

FERNANDO NAKAGAWA, Agencia Estado

26 de fevereiro de 2010 | 13h34

Meirelles mandou um recado à sociedade para que não sejam tomadas como verdades as interpretações feitas pelo mercado ou pela imprensa. "Nesse contexto, é importante que a sociedade procure analisar os documentos, bem como pronunciamentos de autoridades monetárias, pelo que está escrito ou dito, e não pela interpretação de agentes ou jornalistas", afirmou. Ele também defendeu que, em ambientes democráticos, as autoridades devem "fazer pronunciamentos regulares de forma a prestar contas de suas ações".

No discurso, o presidente do BC afirmou ainda que "enganam-se aqueles que esperam mudanças na conduta do BC em função do calendário cívico". "Nossa dedicação aos objetivos do BC é inequívoca e permanente", completou.

Decisões técnicas

O presidente do BC disse ainda que a instituição não evita medidas que são tecnicamente justificadas, mas que possam ser entendidas de forma negativa pela sociedade. "Atuar de forma consistente significa não evitar decisões tecnicamente justificadas que, no curto prazo, possam parecer antipáticas ou impopulares, mas que visam, sim, o bem comum", afirmou.

Meirelles não detalhou qual eventual medida poderia ser impopular, mas afirmou, neste trecho do discurso, que a instituição precisa fazer o necessário "na medida e na hora adequada para, por um lado, manter a estabilidade do sistema financeiro nacional e, por outro, assegurar a convergência da inflação à trajetória das metas".

Entre os analistas do mercado financeiro existe a discussão sobre a necessidade de elevação dos juros em um ambiente de aceleração da inflação e em meio às consequências do aumento das alíquotas do depósito compulsório, anunciado nesta semana pelo BC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.