Ueslei Marcelino/Reuters
Ueslei Marcelino/Reuters

Meirelles diz que devolução de recursos do BNDES é importante para cumprir regras

Recursos servem para que a União não descumpra a chamada regra de ouro, que proíbe a emissão de dívida para o pagamento de gastos correntes do governo federal

Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

04 de outubro de 2017 | 15h12

BRASÍLIA - O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, reconheceu que o presidente do BNDES, Paulo Rabello de Castro, está correto em defender o banco de fomento, mas lembrou que a devolução de recursos da instituição ao Tesouro Nacional é importante para o cumprimento de regras das contas públicas. Os recursos servem para que a União não descumpra a chamada regra de ouro, que proíbe a emissão de dívida para o pagamento de gastos correntes do governo federal.

+ Presidente do BNDES diz que devolução de R$ 130 bi à União em 2018 é ' materialmente muito improvável'

"Acho normal a defesa aguerrida do interesse direto da instituição pela direção, e estamos todos trabalhando para conseguir o melhor possível. Mas esse processo está em andamento, dentro de um processo de negociação tranquilo, normal. A decisão final é do conselho do BNDES", disse Meirelles, após apresentação na abertura do IV Seminário Brasileiro de Contabilidade e Custos Aplicados ao Setor Público. 

+ Tribunal de Contas da União vê ‘imprudência’ em aval a Estados

Na semana passada, foi realizada a devolução de R$ 33 bilhões, e o governo agora discute os procedimentos para um nova devolução de R$ 17 bilhões. "Estamos analisando quais são as necessidades do BNDES de fato nos próximos anos", acrescentou Meirelles. 

O ministro destacou ainda que, à medida que taxas de juros do BNDES convirjam para padrões de mercado e essas taxas comecem a cair, o banco de fomento poderá emprestar a longo prazo acessando fundos do próprio mercado. 

"Estive em Londres recentemente e testei a possibilidade de colocação de títulos de bancos públicos, particularmente do BNDES, no mercado. Isso existe. E portanto cada vez mais aquele banco deverá ficar independente de financiamento subsidiado do Tesouro", afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.