Meirelles diz que inflação acima da meta é possibilidade teórica

Presidente do Banco Central diz que há possibilidade 'menor' de IPCA ultrapassar os 6,5% em 2008

Carolina Ruhman e Célia Froufe, da Agência Estado,

18 de junho de 2008 | 12h01

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, reconheceu nesta quarta-feira, 18, a possibilidade "teórica" de a inflação medida pelo Índice de preços ao Consumidor Amplo (IPCA) superar neste ano o teto da meta de 6,5%. "Sistematicamente, em qualquer ano, mesmo que a inflação esteja até abaixo do centro, existe sempre uma possibilidade teórica de que possa estourar o teto ou o piso", afirmou durante entrevista para a TV Bloomberg. Entretanto, o presidente do BC insistiu que a autoridade monetária não faz previsões para a inflação. "Não fazemos nossa própria previsão. Isso compete aos mercados."   Veja também: Entenda a crise dos alimentos  Entenda os principais índices de inflação    Meirelles avaliou que as ações de política monetária começam a surtir efeito imediatamente, mas são cumulativas e seu auge deve ocorrer na virada do ano. "As elevações de juros começam a fazer efeito imediatamente. É um efeito cumulativo e o pico deve se dar no final deste ano e no início do ano que vem", explicou.   Segundo ele, alguns canais de transmissão da política são mais rápidos, como o de expectativas, do que o canal de atividade. "Existe um início de eficácia sendo mostrado, desde o início, que vai cumulativamente crescendo durante o tempo, para atingir este pico no final do ano, início do ano que vem, e depois começa a decrescer, numa curva normal", previu.   Varejo   A alta dos índices de preços mais ligados ao atacado não impressionou o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Para ele, a elevação é "natural" em função do atual cenário internacional, mas a grande questão é saber qual será o tamanho do repasse para o varejo. "É preciso explicar para as empresas que o Banco Central não vai deixar haver pass-through (repasse) de 100%", observou durante palestra na sede da Demarest & Almeida Advogados, em São Paulo, a empresários e representantes de instituições financeiras.   A elevação dos índices, de acordo com Meirelles, ocorre porque o mundo passa por um aumento dos preços relativos. "Os preços relativos têm que se ajustar, mas não é possível ter um pass-through para toda a economia porque, caso contrário, estaríamos de volta à década de 70, ainda que em menor escala", comparou.   O presidente citou como exemplo a alta do Índice Geral de Preços - Disponibilidade Interna (IGP-DI) acumulado em 12 meses, dizendo que a elevação não é uma surpresa. O índice, segundo dados apresentados por Meirelles, subiu 12,4% no período, com o segmento agrícola disparando 33,61% e o industrial, 9,64%.   "O que o BC aponta é que é preciso tomar cuidado. É normal que isso aconteça, não é surpreendente porque, do lado agrícola, os preços das commodities subiram internacionalmente e, para a indústria, houve aumento de preço da matéria-prima", disse, citando como exemplos, metais, não-metais e plásticos.

Tudo o que sabemos sobre:
Henrique MeirellesInflaçãoAlimentos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.