Meirelles espera que recurso do compulsório migre para crédito

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse hoje esperar que os recursos obtidos pelos bancos com o anúncio da medida do Banco Central (BC) de redução da alíquota do compulsório ? parcela de recursos que os bancos devem recolher ao Banco Central ? de 60% para 45% sobre os depósitos à vista migrem para o crédito. A medida foi anunciada pela instituição na última sexta-feira."Espera-se que os recursos do compulsório sejam encaminhados para o crédito, na medida em que isso vai permitir, como já está permitindo, uma queda gradual das taxas de juros, o que, em tese, deve levar também a uma demanda gradual por crédito, não só para pessoa física, mas também para pessoa jurídica", afirmou Meirelles. O presidente do Banco Central está em São Paulo, em visita ao Grupo Estado. O áudio da entrevista está disponível no site www.aefinanceiro.com.br/entrevistas.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.