Meirelles está atento a bolhas, mas não vê euforia em câmbio

Segundo ele, Banco Central fez compras e vendas de dólar para evitar quaisquer bolhas ou distorções

Regina Cardeal, da Agência Estado,

20 Janeiro 2010 | 14h07

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, disse em teleconferência à imprensa estrangeira que não está vendo no câmbio brasileiro "o tipo de euforia ou exuberância" que havia no passado, segundo The Wall Street Journal. Em teleconferência com jornalistas estrangeiros, Meirelles disse que o Banco Central sempre monitora o mercado de câmbio do país para se precaver contra quaisquer "bolhas ou distorções", mas acrescentou que o atual clima do mercado não é caracterizado por nenhum grande senso de euforia.

 

"No fim das contas, é o mercado que determina a taxa de câmbio", disse Meirelles. "No Banco Central, não trabalhamos com qualquer meta para o câmbio." No entanto, ele notou que o Banco Central fez intervenções sistemáticas no câmbio no passado, seja para comprar ou vender dólar em leilões. Ele disse que estas ações são destinadas "a evitar quaisquer bolhas ou distorções, por exemplo em momentos de um aperto na liquidez".

 

Do fim de 2008 até março de 2009, o Banco Central sistematicamente vendeu dólares por causa do aperto internacional no crédito, que deixou muitas companhias brasileiras sem linhas de crédito externas. No entanto, desde o início de março de 2009, o BC começou a comprar dólares porque o real começou a se valorizar acentuadamente em relação ao dólar. O real subiu 34% em relação ao dólar em 2009, o que provocou reclamações dos exportadores brasileiros. Até agora em 2010, o real acumula desvalorização de cerca de 2,5% em relação ao dólar.

 

Meirelles também disse que decidirá no fim de março se continuará à frente do Banco Central ou se sairá para disputar um cargo eletivo este ano. "Não estou centrando foco nesta questão agora, estou concentrado no Banco Central", disse. "Decidirei no fim de março se buscarei disputar um cargo eletivo; se não disputar, ficarei no Banco Central até o fim de 2010", acrescentou Meirelles. As informações são da Dow Jones.

Mais conteúdo sobre:
dólar câmbio Meirelles

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.