Meirelles não sabe se ficará no BC se Lula for reeleito

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, disse nesta terça-feira em Nova York que ainda não discutiu com o presidente Luiz Inácio Lula da Silva sobre sua permanência frente ao BC caso ele seja reeleito. "Não há nenhum tipo de discussão, como seria impróprio a esta altura", disse Meirelles, acrescentando que o tema é "prematuro porque ainda estamos tão longe da eleição". Meirelles foi o principal orador de uma conferência sobre a América Latina promovida pela agência de classificação de risco Fitch. Desde a renúncia do ex-ministro da Fazenda, Antonio Palocci, Meirelles é o integrante do governo Lula com mais prestígio em Wall Street. Congresso Durante seu discurso, Meirelles disse que certamente chegará o momento em que a questão da independência formal do Banco Central será discutida no Brasil. Mas ao ser perguntado por jornalistas sobre sua expectativa quanto à aprovação da lei que garanta a autonomia jurídica do BC em relação ao Poder Executivo, Meirelles disse que "essa é uma prerrogativa do Congresso Nacional". "Não cabe ao presidente do Banco Central discutir a questão." Meirelles também se recusou a comentar sobre em que condições aceitaria continuar na presidência do BC num eventual segundo mandato de Lula. "Posso garantir que o governo está compromissado com a manutenção de uma política monetária e fiscal sólida, que já se traduz em indicadores positivos, como baixa inflação e juros numa trajetória descendente", afirmou. Meta de 2008 Quanto à meta da inflação para 2008, Meirelles disse que o Conselho Monetário Nacional (CMN) do Banco Central deve se reunir no próximo mês de junho para defini-la. "Essa decisão tem que ser tomada no tempo adequado, mantendo-se as formalidades", disse. O presidente do BC também voltou a reafirmar sua posição sobre o câmbio brasileiro. Indagado se o real estaria artificialmente valorizado diante do dólar, ele disse: "Uma boa posição para qualquer presidente do Banco Central é não ter opinião sobre câmbio ou sobre a taxa de juros".

Agencia Estado,

26 Abril 2006 | 12h19

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.