Ações

Empresas de Eike disparam na bolsa após fim de recuperação judicial da OSX

Meirelles nega controle de fluxo de capitais para Brasil

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, afirmou hoje, durante apresentação na Comissão de Finanças e Tributação da Câmara, que não há interesse do governo brasileiro em adotar mecanismos de controle de capitais. "Vamos continuar a trabalhar no sentido de melhorar os fundamentos da economia e garantir com isso um fluxo normal de capitais para o Brasil", afirmou. Sobre a experiência do Chile, ele disse que tem estudado o assunto mas que as opiniões a respeito são controversas. "Você tem aí vantagens e desvantagens", disse Meirelles. Ele citou como desvantagem o encarecimento do crédito interno e salientou que há dúvidas sobre o momento adequado para a adoção desse tipo de controle de capitais, em especial nas conjunturas em que há um início de retorno de fluxo, principalmente de curto prazo. "Há dúvida sobre se a adoção de mecanismos de controle da entrada de capitais em momentos de retomada do fluxo não prejudica o retorno de capitais de médio e longo prazos", disse. Sobre a experiência da Malásia, o presidente do BC disse que a situação era completamente diferente da do Chile. "A Malásia tinha superávit fiscal e superávit comercial altos. Com isto, a economia teria um bom desempenho com ou sem controle de capitais como demonstra o exemplo de outros países da Ásia", afirmou.

Agencia Estado,

28 de maio de 2003 | 13h14

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.