Meirelles: pressão contra juros mais altos continuará

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, defendeu em entrevista publicada hoje no jornal O Estado de S. Paulo as condições políticas do BC de retomar a alta da taxa de juros, a Selic, depois de momentos em que houve "exacerbação" e "passionalização" nos comentários sobre a atuação da instituição, mas não tem dúvidas: as pressões continuarão. "Com certeza, restará a controvérsia com aqueles que pensam que política monetária correta é aquela unidirecional: Selic boa é Selic cadente." Ao mesmo tempo, garante: "Nenhum Banco Central sobe juros mais que o necessário para manter a inflação na meta".

BEATRIZ ABREU, Agencia Estado

22 de abril de 2010 | 09h36

"O BC no Brasil age rigorosamente segundo o arcabouço do sistema de metas e trabalha de acordo com o seu cenário prospectivo de inflação", afirmou Meirelles. "Não há meio-termo no regime metas de inflação. Ou adota-se uma política monetária visando a atingir a meta ou não há meta e, sim, outro regime. Além disso, é evidente que nenhum BC decide subir juros mais do que o necessário para manter a inflação na meta. O histórico dos últimos 7 anos mostra que a inflação situou-se ora acima, ora abaixo do centro da meta, dentro do que foi determinado pelo CMN", completou o presidente do BC.

Tudo o que sabemos sobre:
BCMeirellesjuros

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.