André Dusek/Estadão
André Dusek/Estadão

Meirelles prevê que o PIB voltará a crescer no 4º trimestre

Ministro reafirmou que a previsão do governo é que, em 2017, a economia brasileira avance 1,6%

Adriana Fernandes, Idiana Tomazelli, Anne Warth e Eduardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

31 de agosto de 2016 | 18h43

No dia em que o IBGE apontou recuo de 0,6% do PIB no segundo trimestre deste ano em relação ao primeiro, o ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, afirmou que o Produto Interno Bruto (PIB) voltará a crescer nos últimos três meses deste ano e terá, em 2017, um resultado positivo. Meirelles reafirmou que a previsão do governo é de que a economia brasileira avance 1,6% no ano que vem.

“O PIB já mostrará crescimento no último trimestre deste ano e certamente teremos PIB positivo em 2017”, disse o ministro da Fazenda, durante coletiva para apresentar o projeto de Lei Orçamentária Anual de 2017. Meirelles disse ainda que haverá, nessa esteira, recuperação no consumo das famílias e nos investimentos - estes tendem a reagir mais rápido “em função de antecipações”.

O ministro também citou a recuperação do mercado de trabalho, que será viabilizada com a recuperação da economia. Os sinais de que esse será o caminho trilhado pelo País, segundo Meirelles, são emitidos pela confiança da indústria, do consumidor e de outros setores.

“Todos os setores da economia estão com confiança em alta depois de ter atingido vale, que foi ao redor, a maioria deles, de abril”, disse o ministro. “Temos um cenário de recuperação dos preços dos ativos brasileiros, da confiança, o crédito externo começa a ser retomado, crédito doméstico dá os primeiros sinais também. Há escala crescente de investimentos internacionais”, emendou.

A previsão de crescimento de 1,6% no ano que vem está acima das projeções coletadas no último Boletim Focus, divulgado esta semana, em que analistas apontam crescimento de 1,23% do PIB em 2017. Mas o ministro disse que as projeções do mercado já estão convergindo para números mais altos. A previsão do governo para a inflação, de 4,8%, é mais benigna do que a do mercado, que está em 5,14%.

Ao fim do ano que vem, as previsões do Boletim Focus desta semana são de taxa Selic a 11,25% e câmbio a R$ 3,45%. O governo colocou projeções de 14,0% para a Selic e de R$ 3,40 para o câmbio, dados captados do Focus de 29 de julho, segundo o ministro.

Arrecadação. Meirelles explicou que a mudança nas previsões de arrecadação levam em consideração um quadro em que a economia já iniciou um processo de retomada. Segundo ele, não faz sentido o governo continuar prevendo um cenário de queda da arrecadação total, como previsto inicialmente, com a volta da retomada econômica. 

Ele lembrou que a relação entre arrecadação e PIB é maior do que 1. Ou seja, a arrecadação tende a crescer mais do que o PIB, como também o inverso em períodos de recessão econômica. 

Tudo o que sabemos sobre:
IBGEPIBHenrique MeirellesPib

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.