Meirelles: previsibilidade é nossa grande conquista

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou que o crescimento do Brasil está ancorado num processo de estabilidade econômica sustentável inédito nas últimas décadas. Ele ressaltou que os fundamentos macroeconômicos que suportam o crescimento são sólidos, o que assegura a continuidade da expansão do produto interno bruto para os próximos anos. "As empresas e os cidadãos criaram a capacidade de prever o futuro e essa conquista permite alongar o horizonte de planejamento, fazendo com que os retornos demandados possam ser menores, aumentando o volume de investimento total. Hoje no Brasil, as empresas e as famílias não vivem mais como no passado, administrando o curto prazo, pois fazem planos que se alongam a cada dia. O País tem cada vez mais uma economia ancorada no crescimento sustentado", analisou.Meirelles afirmou que está convencido de que a previsibilidade para o longo prazo é a grande conquista da economia brasileira das últimas décadas, o que garante ao Brasil um salto de qualidade em importância da sua participação em relação à economia global. "O mundo hoje vê o Brasil com um olhar de otimismo, positivo, pois é um país com condições de crescimento que combinam um amplo mercado consumidor, disponibilidade de matérias-primas, uma indústria sólida e competitiva, com setor de serviços sofisticado, mão-de-obra especializada e conhecimento tecnológico. Somos uma economia aberta e eficiente, integrada ao mercado mundial, sem o protecionismo do estado intervencionista que caracterizou o Brasil muitas vezes no passado", afirmou.InflaçãoDe acordo com o presidente do Banco Central, a inflação apresenta estabilidade e está dentro das metas estabelecidas pelo Conselho Monetário Nacional. Em 2006, o Índice de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) atingiu 3,14% e em 2007 o índice avançou 4,46%, números inferiores ao objetivo central de 4,5% para ambos os anos. "A política monetária adotada nos últimos anos se mostrou adequada para manter a inflação na trajetória das metas, impedindo com isso a corrosão da renda do cidadão, assegurando o seu poder de compra e estabilidade", avaliou. Meirelles fez os comentários em palestra no Simpósio Econômico Brasil-Japão - Os Próximos 100 Anos, organizado pelos jornais O Estado de S. Paulo e The Nihon Keizai Shimbun e Câmara de Comércio e Indústria Japonesa do Brasil, em São Paulo. Entre os participantes do evento, que contou com a presença de dirigentes de empresas brasileiras e japonesas, estavam o ex-ministro do Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior Luis Fernando Furlan e o diretor da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) Roberto Gianetti da Fonseca.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.