Meirelles: recessão nos EUA não seria tão grave

O presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, afirmou hoje, em audiência na Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado, que uma eventual recessão nos EUA não será boa para ninguém, mas tanto o Brasil quanto o restante da economia mundial estão melhor preparados para enfrentar essa situação. "Não há dúvidas que o mundo é menos dependente dos EUA", disse Meirelles, destacando que metade do crescimento mundial hoje vem da Ásia.Por conta disso, considera que uma eventual recessão nos EUA não teria a mesma gravidade de outros tempos. Em relação ao Brasil, Meirelles destacou que o País vive uma situação mais sólida para enfrentar uma recessão nos EUA porque tem exportações diversificadas, o crescimento do PIB vem sendo puxado pela demanda doméstica e o nível de reservas internacionais está adequado. "Temos uma menor dependência do exterior", afirmou Meirelles, voltando a destacar que o risco Brasil está descolado do índice de aversão ao risco da economia mundial, que teve forte elevação nos últimos meses.O presidente do BC mencionou que os analistas têm estimado a probabilidade de haver recessão nos EUA de 30% a 50% e a dúvida é sobre qual seria o tamanho do impacto desse evento na economia mundial. Meirelles destacou que o cenário melhor para a economia mundial seria uma desaceleração nos EUA, que, de acordo com cálculos do FMI mencionados por ele, levaria a uma redução de 0,4% no nível de crescimento mundial. Esse cenário considera que a economia dos EUA crescerá e 1,5% a 2% em 2008.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.