Meirelles reforça controle da inflação para crescimento

Na manhã dessa quinta-feira, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, faz sua exposição na Comissão de Assuntos Econômicos do Senado, fazendo um balanço das medidas econômicas adotadas nos primeiros 15 meses do governo Luiz Inácio Lula da Silva. Meirelles reiterou que a economia do País já iniciou o processo de retomada do nível de atividade. "O Brasil está crescendo e o pior ficou para trás. As perspectivas para a economia são muito melhores do que as do início deste governo", afirmou. Segundo o presidente do BC, no primeiro ano do governo, o trabalho principal da equipe econômica foi debelar a crise que atingiu o Brasil no final de 2002. "Foi um esforço difícil, mas compartilhado pela sociedade", disse. Na avaliação de Meirelles, o principal desafio neste momento é construir com responsabilidade as condições para que o Pais cresça e de desenvolva de maneira sustentada. Para isso, afirmou, é preciso manter a estabilidade macroeconômica e investir em termos microeconômicos, em educação, produtividade e crédito. Crescimento sustentado Para o presidente do BC, tentativas de crescimento acima da capacidade de produção do País geram bolhas. Por isso, disse, é necessário desenvolver uma política de crescimento ancorada em fundamentos sólidos, que permitirão a ampliação do nível de investimento no País. Para Meirelles, o investimento é o verdadeiro determinante do crescimento, assim como sem estabilidade não há como a economia se desenvolver. Meirelles também defendeu a necessidade de manter índices de inflação em patamares baixos para se conseguir alcançar o objetivo proposto. "Não há registro de país que tenha crescido sustentadamente com altas taxas de inflação", afirmou. Meirelles defendeu o sistema de metas de inflação como sendo o mais adequado para ancorar as expectativas e manter assim a inflação em patamares baixos.

Agencia Estado,

25 Março 2004 | 11h23

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.