Meirelles reitera queda da inflação e nega sinais sobre juro

O presidente do Banco Central (BC), Henrique Meirelles, em entrevista à Agência Estado e durante palestra feita hoje a investidores em Berlim, procurou esclarecer as declarações que deu ontem sobre a queda da inflação. Ele procurou mostrar que não quis dizer, necessariamente, que suas declarações mais positivas sobre a inflação indicam uma queda dos juros. "Não estou indicando que o BC vai se mover para um lado ou para outro", afirmou Meirelles à Agência Estado. "Não estou dizendo nada sobre isso (juros). Apenas estou mostrando as mudanças nas expectativas de mercado e que nossas políticas estão funcionando bem", afirmou, reiterando depois que há dados que mostram que a inflação está caindo: "Eu só disse isso".Questionado sobre o debate existente no Brasil sobre juros e crescimento da economia, Meirelles afirmou que o BC vai "continuar vigilante e cauteloso". "Há muito barulho sobre juros. Com a inflação caindo, é natural que as pessoas fiquem ansiosas para começar a crescer. Em momento em que temos a estabilidade nas mãos, seria apenas uma questão de saber quando o BC irá se mover. Mas o BC precisa ser cauteloso e analítico", afirmou. Segundo ele, somente quando a inércia inflacionária for quebrada é que o BC poderá "se mover".Reforço em discurso sobre inflaçãoEm seu discurso para os investidores, Meirelles ainda deu garantias de que irá "tomar todas as medidas necessárias" para trazer a inflação para um caminho desejável. "Temos total apoio político no governo para isso", disse. Apesar de se recusar a dar qualquer indicação sobre a taxa de juros, o presidente do BC afirma que "quanto mais as empresas olharem para a inflação futura para estabelecerem seus preços, invés da inflação passada, mais cedo o Banco Central vai poder baixar taxas de juros". Segundo ele, mesmo o mercado tendo revisto para baixo suas expectativas da inflação, se as empresas continuarem a fixar seus preços a partir de inflação de meses passados, a inércia inflacionária continuará. "Quanto menor a inércia, mais cedo o BC poderá baixar taxa de juros", disse.Se Meirelles se recusa a falar sobre o que ocorrerá com a taxa de juros, o presidente do BC não poupa palavras para explicar o que tem sido feito para reduzir o spread bancário. "Temos que aumentar o crédito e incrementar a competição entre os bancos", afirmou. "Sabemos que o spread bancário terá que cair", acrescentou. Segundo ele, o BC estará concluindo, nas próximas semanas, um estudo sobre microcrédito, que deverá ser aplicado ainda neste ano. Outra iniciativa será dar poderes aos Cade para que a instituição possa defender o consumidor e assegurar de que não haja cartel no sistema bancário.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.