seu bolso

E-Investidor: O passo a passo para montar uma reserva de emergência

Meirelles: se recessão dos EUA vier, estamos preparados

Se ocorrer uma recessão nos EUA, o Brasil está melhor preparado para o choque externo, segundo o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles. Em Washington, Meirelles citou hoje os chamados "dividendos da estabilidade", ou seja, o processo de controle da inflação, redução da relação dívida/PIB e acumulação de reservas que nos últimos anos deram mais resistência ao País para suportar volatilidade. "Por muitos anos, nos preocupamos com o custo da estabilização. Agora, estamos testemunhando benefícios da estabilização", afirmou.A importância disso, argumenta Meirelles, é que agora o País pode prever o que pode acontecer à frente. "Saímos do patamar de discutir crises. Agora, discutimos investimentos em educação e em infra-estrutura", disse. A estabilização tem influência direta nos aspectos econômicos, como a expansão de crédito, exemplifica Meirelles. No processo de estabilização, Meirelles observa que o juro cai de forma regular, assim como é possível ver queda constante de volatilidade. De acordo com o presidente do BC, o crescimento constante habilitou o Brasil a importar mais, a modernizar a economia. Ao mesmo tempo, a exportação ajuda no superávit comercial. "Estabilizamos a inflação e o balanço de pagamentos, duas fontes de volatilidade do passado. Também estabilizamos a relação dívida/PIB, que compõe o terceiro ponto do dividendo da estabilidade", afirmou.Meirelles cita a evolução das reservas internacionais, que fornece uma âncora para o País e resistência às vulnerabilidades externas. "As reservas também são componente muito importante na queda do risco Brasil", afirmou. "Maiores reservas significam mais confiança no Brasil, menor risco percebido e menor custo de captação para o setor privado." "O País agora é previsível", concluiu."Estamos crescendo ancorados em economia estável. Não há desequilíbrio (na base) do crescimento que possa gerar volatilidade à frente", afirmou. "O fato é que o Brasil é resiliente e muito mais forte. Se a recessão nos EUA vier, estamos mais bem preparados". Entre os desafios do País à frente, Meirelles cita infra-estrutura como uma área crítica, educação e marco regulatório. Mas, para ele, isso indica que o País pode discutir o longo prazo e não precisa mais ficar preocupado em gerenciar crises.

NALU FERNANDES, Agencia Estado

22 de outubro de 2007 | 12h56

Encontrou algum erro? Entre em contato

Tendências:

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.